Novo anti-depressivo poderá fazer efeito em poucos dias

6635
depressao_tratamento
depressao_tratamento
Hoje os remédios disponíveis demoram semanas para começar a fazer efeito e atenuar os sintomas da depressão.
Mas pesquisadores norte-americanos descobriram um novo antidepressivo que poderá atuar em poucos dias.
“Observamos efeitos terapêuticos de ação rápida em várias tarefas comportamentais depois da administração de compostos que bloquearam os receptores de serotonina 2C”, disse Mark Opal, estudante da Universidade de Chicago e principal autor do estudo.

“Só começamos a analisar as melhorias ao fim de cinco dias, mas é possível que elas tenham começado a registar-se mais cedo”, acrescenta. 

A descoberta
Os especialistas, da Universidade de Chicago, nos EUA, descobriram que bloquear, de forma seletiva, um subtipo de um receptor de serotonina – neurotransmissor que atua no cérebro e regula elementos como o sono e o humor – foi capaz de acelerar os efeitos dos antidepressivos em ratinhos, o que poderá trazer uma nova classe de remédios para tratar a depressão.
Quando este receptor é bloqueado, acreditam os especialistas, há maior libertação de dopamina em regiões do cérebro como o córtex pré-frontal. 
“Um dos principais problemas associados ao tratamento da depressão é, neste momento, a demora que existe até que os efeitos terapêuticos comecem a fazer-se sentir. Portanto, tem havido uma grande necessidade de descobrir medicamentos de ação rápida”, explica Stephanie Dulawa, coordenadora do estudo publicado nesta terça-feira na revista científica Molecular Psychiatry, em comunicado. 
Atualmente, apenas dois remédios – a cetamina e a escopolamina – têm ação rápida contra os sintomas depressivos, mas, devido aos graves efeitos colaterais, nenhum deles é adequado para uso humano, alertam os cientistas.
Segundo Dulawa, esta realidade faz com que as terapias, normalmente prolongadas, possam ter um impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes, que, muitas vezes, passam meses e meses trocando de medicação sem conseguir progressos. 
Depois de testes feitos em laboratório, os pesquisadores conseguiram bloquear seletivamente este receptor em ratos, e observaram uma redução significativa dos comportamentos depressivos em apenas cinco dias (em comparação com as duas semanas necessárias para que se verificasse com a medicação convencional). 
Este é o primeiro mecanismo biológico capaz de aliviar os sintomas da depressão de forma rápida identificado desde a descoberta da cetamina e da escopolamina, representando, potencialmente, uma alternativa muito mais segura. 
Com informações do Boas Notícias.