Anjo da guarda digital salva jovens especiais

612

Foto: PR
O aparelho que salvou uma menina americana com necessidades especiais, do ataque de um tarado, está comentado no mundo.
É uma espécie de anjo da guarda digital, que tem tecnologia de rastreamento por GPS.
O AngelSense, que entrou no mercado em Janeiro de 2014, inclui um monitor GPS portátil que se conecta à roupa, ou a um cinto magneticamente protegido, que só pode ser removido com um ímã. Os dados do rastreador são transmitidos para os pais através de uma aplicativo online ou via aplicativo mobile.

O sistema criado em Israel por Nery Ben-Azar e seu parceiro de negócios Doron Somer, pretende criar um mundo mais seguro para as crianças com necessidades especiais. 

História
A ideia surgiu porque Doron Somer (foto acima) tem filho de 18 anos com autismo.

No mês passado o AngelSense ficou conhecido na mídia americana quando seu mecanismo salvou uma menina de 15 anos com síndrome de Asperger – um transtorno do espectro do autismo – de um tarado, no Texas.

De acordo com imprensa local, o homem viu o dispositivo com GPS e pediu que garota tirá-lo. Mas a jovem disse que só a mãe poderia removê-lo.

O suspeito então deixou a menina em um local perto de casa, onde sua mãe a encontrou correndo freneticamente. A polícia ainda procura o suspeito.

Localização exata
Ben-Azar explica que o dispositivo é o único que pode identificar a localização exata do usuário e mostrar inclusive desvios de rota que ele tenha feito.

“Nosso software de análise identificou que ela estava em um lugar por onde nunca tinha passado  antes,” disse ele ao The Jerusalem Post.

Após a notificação do paradeiro da filha, a mãe da adolescente ativou remotamente um dispositivo de escuta e microfone e ficou horrorizada ao perceber que sua filha estava sob ataque sexual.

Negócio social
Ben-Azar diz que o AngelSense não é apenas um negócio que  busca lucro. É um empreendimento social, para beneficiar a comunidade de famílias com integrantes portadores de necessidades especiais.

O produto funciona tanto para crianças altamente funcionais com necessidades especiais, como para os que são pouco comunicativos, destaca.

A AngelSense emprega cerca de sete ou oito mães de crianças com necessidades especiais e a empresa pretende contratar mais esses trabalhadores, para capaz de proteger “dezenas de milhares de crianças.”

Com informações do JPost
Matéria sugerida por Karen Gekker