Nova droga promissora pode reduzir melanoma em até 90%

1033
Foto: New England Journal of Medicine
Foto: New England Journal of Medicine

Pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, EUA, descobriram um composto químico capaz de reduzir em 90% a propagação de células de melanoma, a forma mais perigosa de câncer de pele.

O composto de moléculas pequenas, feito pelo homem, vai atrás da capacidade de um gene e certas proteínas que fazem com que a doença se espalhe.

“Nosso composto químico é o mesmo que estamos trabalhando para tratar a esclerodermia doença, que agora percebemos, funciona eficazmente sobre este tipo de câncer”, disse Richard Neubig, professor de farmacologia e co-autor do estudo.

Escleroderma é uma doença auto-imune rara e muitas vezes fatal que provoca o endurecimento do tecido da pele e de órgãos como os pulmões, coração e rins.

Os mesmos mecanismos que produzem fibrose, ou espessamento da pele, na esclerodermia, também contribuem para a propagação do câncer.

A co-autora do estudo, Kate Appleton, disse que a descoberta pode ser eficaz na luta contra o câncer de pele mortal, que é responsável por 10.000 óbitos nos EUA a cada ano.

“Uma razão pela qual a doença é tão fatal é que ele pode se espalhar por todo o corpo muito rapidamente e atacar órgãos distantes, como o cérebro e os pulmões.”

A pesquisa

Através de suas pesquisas, Neubig e Appleton descobriram que os compostos foram capazes de parar as proteínas, conhecidas como fatores de transcrição relacionados com Myocardin, ou MRTFs, de iniciar o processo de transcrição de genes descrito acima em células de melanoma.

Essas proteínas desencadeadoras são inicialmente ativadas por outra proteína chamada RhoC, ou homologia C de Ras, que é encontrada em uma via de sinalização que pode causar a doença se espalhar agressivamente no corpo.

O composto reduziu a migração de células de melanoma em 85 a 90 por cento.

A equipe também descobriu que o medicamento potencial reduziu muito tumores especificamente nos pulmões de ratos que tinham sido injetados com células de melanoma humano.

Foi aí que os pesquisadores encontraram a proteína de sinalização MRTF como um novo alvo.

Appleton disse que descobrir quais pacientes têm esse caminho ativado é um importante passo no desenvolvimento de seu composto. Isso os ajudaria a determinar quais pacientes seriam os mais beneficiados.

“Podemos procurar a ativação das proteínas MRTF como um biomarcador para determinar o risco, especialmente para aqueles em fase inicial melanoma” e, assim, efetivamente bloquear a migração do câncer.

Segundo Neubig, se a doença é detectada precocemente, a chance de morte é de apenas 2%. Se pego tarde, esse número sobe para 84%.

Com informações da Michigan State University e GoodNewsNetwork