Alzheimer: Bill Gates investe US$100 milhões em pesquisas

1187
Foto: Reprodução Daily Mail
Foto: Reprodução Daily Mail

Bill Gates está investindo 100 milhões de dólares, mais de 320 milhões de reais da sua fortuna pessoal, em pesquisas para encontrar uma cura para demência e a doença de Alzheimer.

O bilionário co-fundador da Microsoft anunciou na segunda-feira, 13 de novembro, que vai doar US$ 50 milhões, cerca de 150 milhões de reais ao “Dementia Discovery Fund”, um fundo de capital de risco que reúne indústria e governo para buscar tratamentos para a doença que destrói o cérebro.

Os outros US$ 50 milhões, ou mais de 150 milhões de reais, serão investidos em uma série de empreendimentos de start-ups que trabalham na pesquisa de Alzheimer, disse Gates.

Ambas as doações são investimentos pessoais, separados da Fundação Filantropica Bill e Melinda Gates.

Com o número cada vez maior de pessoas que sofrem de Alzheimer e outras formas de demência, a doença está tomando uma taxa emocional e financeira crescente, à medida em que as pessoas vivem mais tempo, disse Gates.

“É um grande problema, um problema crescente. E a escala da tragédia – mesmo para as pessoas que ficam vivas – é muito alta”, disse ele.

Motivo pessoal

Gates disse em seu blog que tem razões pessoais para fazer a doação e se juntar ao esforço para combater a doença de Alzheimer.

“Eu sei o quão horrível é assistir as pessoas que você ama, enquanto a doença rouba suas capacidades mentais … Parece que você está passando por uma morte gradual da pessoa que você conheceu”, escreveu ele.

“Alguns dos homens da minha família sofreram com a doença de Alzheimer”.

“Você tem quase 50% de chance de desenvolver a doença se você chegar aos anos 80”, escreveu ele.

“Nos Estados Unidos, é a única causa da morte no top 10 sem quaisquer tratamentos significativos que se tornem mais prevalentes a cada ano”.

De fato, apesar de décadas de pesquisa científica, não há tratamento que possa retardar a progressão da doença de Alzheimer.

As drogas atuais não podem fazer mais do que aliviar alguns dos sintomas.

Tratamentos otimistas

Gates disse, no entanto, que com inovação focada e bem financiada, ele pode encontrar tratamentos “otimistas”, mesmo que possam estar a mais de uma década de distância.

“Levará provavelmente 10 anos antes de novas teorias serem testadas o suficiente para dar-lhes uma grande chance de sucesso. Portanto, é muito difícil arriscar um palpite (quando um medicamento efetivo pode ser desenvolvido).

“Espero que, nos próximos 10 anos, possamos ter algumas drogas poderosas, mas é possível que não seja alcançado”.

A doença de Alzheimer afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

A previsão é de que afetará mais de 131 milhões até 2050, de acordo com o grupo de campanha sem fins lucrativos Alzheimer’s Disease International.

Com informações do Daily Mail