Monja Coen ensina como controlar ansiedade no isolamento

Monja Coen na Live do SoNoticiaBoa - Foto: SNB
Monja Coen na Live do SoNoticiaBoa - Foto: SNB

Sim, é possível controlar de forma simples e barata a ansiedade, que cresceu tanto durante esse isolamento social. Quem ensina é a Monja Coen.

Ela explicou passo-a-passo como se faz o exercício da “respiração consciente”, durante Live do SóNotíciaBoa no Instagram e falou:

“A ansiedade é natural nesse momento [de pandemia]. E voltar ao presente tem a ver com respiração, respiração consciente, abdominal. As respirações emocionais são torácicas, a gente respira aqui em cima (põe a mão no peito) e quando você abaixa (para o abdômen), você entra num estado de equilíbrio.”

Como fazer

[Você] “senta numa cadeira sem encostar. Alonga a coluna vertebral, alonga a cervical, alinha as orelhas com os ombros, o nariz com o umbigo e vamos fazer uma respiração completa. Inspiramos pelas narinas sem forçar. Deixa só o ar entrar. Aí vamos soltar pela boca abrindo a glotes. Faz um som, alguma coisa assim: ahhhhhhh, o mais logo possível. E observe que no final da expiração, há uma contração no baixo abdômen. Não precisa forçar, ela acontece…

Vamos fazer de novo: inspira… Aí a gente fica um pouco quietinho, observa como está respirando… percebe que ao inspirar a caixa torácica se expande para todas as direções e ao expirar ela se contrai. É só isso!

Sente a temperatura da sala, ouve os sons, se há fragrâncias, odores, luzes, sombras… aí você observa sua mente: tem pensamentos, não pensamentos… é tudo normal. Tá tudo bem. Tem memórias, tem ansiedade, tem prazer, tristeza, alegria… então você fica alguns momentos nessa observação de si mesmo, porque ao observar você mesmo, você fica se conhecendo, o funcionamento da sua mente e do seu corpo.

E esse conhecimento é libertador, porque eu não tô aprisionado, eu tô aqui, meu corpo não é uma prisão que eu quero largar, é como  como a casa, não é uma prisão que eu quero sair … se eu não gosto de mim, se eu não sinto prazer na minha companhia, não vai ter jeito porque são 24 horas por dia que eu tô comigo, então eu tenho que sentir prazer nessa companhia”, afirmou.

Não é prisão

Para quem está cansado de ficar em casa, nesses quase três meses de isolamento social, a Monja lembra que isso não é prisão.

“Ficar em casa não é uma prisão…. Isolamento não é prisão, é um refúgio, é uma oportunidade de a gente entrar em contato conosco e de viver o presente. Não adianta ficar pensando quando isso vai acabar… essa ansiedade é normal nessa época… mas tem o seu tempo de maturação.

Saia do automático

Ela também ensinou duas atitudes importantes para este momento.

A primeira é sair do automático, fazer as mesmas coisas que você faz em casa, mas de forma diferente.

“Muda a lata de lixo de lugar, ponha no outro canto do escritório. Mude o lado por onde você começa a escovar os dentes”, ensina.

E ensinou como fugir do ciclo vicioso da tristeza.

“Às vezes a pessoa está vivendo a vida e não percebe essa beleza que é a vida, mesmo com dificuldades. Às vezes você fica um pouco triste, não tem importância, ela passa. Não pode é ficar rodando na tristeza e só pensar coisas que não são benéficas”, orientou.

Gratidão

Ela também lembrou da importância de ser grato, de mudar o foco. E mostrou como fazer isso de uma forma muito simples: olhando para o seu prato de comida.

“Olha para o prato da comida e pense quantas formas de vida são necessárias para um prato de comida chegar à nossa frente. Nem que seja só arroz. Você pensar que teve alguém que plantou, alguém que colheu, que limpou, vendeu, revendeu, que chegou na loja… você chegou lá, comprou, tinha um fogão para cozinhar… A vida toda da terra está presente num prato de comida. E você pensar nisso, vem a ser uma gratidão incrível, uma percepção de que estamos interligados a tudo e a todos e por isso cuidamos.

Notícia boa “ilumina”

Durante a live a Monja Coen, que foi jornalista, falou sobre o SoNoticiaBoa e importância da informação positiva para a saúde física e mental das pessoas.

“Eu adoro isso. É importante a gente dar boas notíciasPor que ilumina, porque traz um estado de plenitude. Porque se fosse médica ia até dizer que vai projetar serotonina, endorfina, que são os liquidozinhos que vão no nosso cérebro que nos fazem felizes, que nos fazem bem. Nós precisamos de notícias, de palavras, gestos e atitudes que são benéficas porque nós acessamos ao estado benéfico em nós. Ele existe em nós”.

“E o que você faz é uma joia. Notícias boas, gente! Tem coisa boa acontecendo no mundo agora, nesse instante. Não deixe de ver o lado bom das coisas. Tem lado ruim, tem que ver, não pode fingir, mas tem que saber que no meio dessa pandemia, desse sofrimento todo… tem coisa boa, os passarinhos estão cantando, os rios estão mais limpos, a atmosfera mais pura e muita gente tá pensando, será que eu posso viver de forma mais simples?

“Do que nós nos alimentamos é o que nós nos tornamos e nós podemos nos alimentar de coisas boas”.

Mensagem

No final da conversa, a Monja Coen deixou uma mensagem de vida para os nossos seguidores:

“A minha mensagem pra todos vocês é fica em casa e fica bem em casa. Aprecie a vida porque onde você está é o centro da sua existência. Estamos vivos e estamos aqui sobrevivendo sim, com alegria, com contentamento que aumenta a imunidade.

Assista:


Veja a chamada generosa e simpática da entrevista que a Monja fez nas redes sociais dela:

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa