Expedição retira mais 100 toneladas de lixo do Oceano Pacífico: recorde

A equipe do cargueiro Kwai retirando lixo Foto: OVI
A equipe do cargueiro Kwai retirando lixo Foto: OVI

A Ocean Voyages Institute, organização sem fins lucrativos, retirou mais de 100 toneladas de lixo marinho do meio do Oceano Pacífico, numa missão que durou 48 dias, e aportou em terra firme, nesta terça, 28.

Foi um recorde e ao mesmo tempo um sucesso da missão, realizada mesmo em meio à pandemia.

A ONG, com sede em Sausalito, Califórnia, mais uma vez fretou o cargueiro à vela Kwai para a expedição, que começou no início de maio.

As tripulações descarregaram o lixo – 103 toneladas – do navio e divulgaram oficialmente como quantidade recorde coletada das profundezas e da superfície do Pacífico, nas proximidades do Havaí.

Recorde

É mais que o dobro do verão passado, que retirou 42 toneladas de entulhos após 25 dias da equipe no mar.

“Estou muito orgulhosa de nossa equipe”, disse a fundadora e diretora executiva Mary Crowley.

“Superamos nossa meta de capturar 100 toneladas de plásticos de consumo tóxicos e redes ‘fantasmas’ abandonadas e, nestes tempos desafiadores, continuamos ajudando a restaurar a saúde de nosso oceano, o que influencia nossa própria saúde e a saúde do planeta. ”

Na expedição do ano passado, o instituto implantou faróis de satélite habilitados para GPS, drones e outras tecnologias para rastrear melhor os detritos no oceano e descobriu que isso desempenha um papel fundamental na remoção mais eficaz.

Os faróis foram colocados em redes com a ajuda de iates e outras embarcações comerciais de origem coletiva, com base na teoria de Crowley de que um rastreador leva a outras redes.

Pandemia

“Tivemos muito cuidado em manter a tripulação em quarentena e testar todos os novos membros da tripulação que viessem a bordo, porque queríamos ter certeza de que a expedição era segura do ponto de vista da saúde” , disse ela.

Crowley espera que a abordagem pró-ativa para remover os detritos marinhos no Gyre –  entre o Havaí e a Califórnia – ajude a poupar recifes de coral, bem como a vida selvagem, incluindo baleias, golfinhos e tartarugas marinhas de emaranhados.

“Os oceanos não podem esperar que essas redes e detritos se decomponham em microplásticos que prejudicam a capacidade do oceano de armazenar carbono e toxificar a frágil teia alimentar do oceano.”

Reaproveitamento

Os detritos coletados, incluindo grandes pilhas de cordas e redes de pesca e plásticos descartados, serão enviados para destinos na Costa Oeste para serem transformados em combustível e reaproveitados em isolamento de edifícios.

Durante anos, a organização sem fins lucrativos também colaborou com a Escola de Tecnologia da Ciência do Oceano e da Terra da Universidade do Havaí, que estudará os processos físicos e biológicos que controlam o ecossistema com base no lixo.

Crowley está arrecadando fundos para outra expedição de limpeza e espera organizar expedições de limpeza para outras partes do mundo também.

A equipe em cima do lixo Foto: OVI
A equipe em cima do lixo Foto: OVI

Com informações do Brightvibes