Cientista ganha prêmio de € 1 milhão por possível cura para cegueira

Botund Roska - Fotos: Laitr Keiows
Botund Roska - Fotos: Laitr Keiows

O cientista Botund Roska ganhou um prêmio de € 1 milhão – mais de R$ 6,2 milhões – por ter descoberto uma possível cura para a retinite pigmentosa, doença rara que geralmente começa na infância e pode levar à cegueira.

Ele pesquisou um grupo de doenças genéticas raras que causam mutações nos genes que codificam as proteínas necessárias para fazer fotorreceptores humanos – a célula que identifica a luz e nos permite ver.

Pelo trabalho, Botund Roska ficou entre os líderes mundiais no estudo da oftalmologia pelo esforço meticuloso de identificar mais de 100 tipos diferentes de células de retina e seus inter-relações complexas.

Terapias genéticas

O trabalho em novas terapias genéticas que Botund Roska faz na Universidade de Basel, na Suíça, envolve a reprogramação de células da retina em fotorreceptores, substituindo as danificadas e restaurando a luz e a cor nas retinas cegas.

O Prémio Körber é atribuído todos os anos a um único europeu nas disciplinas das ciências da vida e das ciências físicas.

Este é o quinto grande reconhecimento que o cientista de Budapeste conquistou desde que abandonou o violoncelo e começou a estudar medicina.

No currículo dele estão o Prêmio Louis-Jeantet de Medicina, por suas descobertas sobre o processamento de informação visual e a Ordem de Santo Estêvão da Hungria do Presidente János Áder, entre outros prêmios.

Com informações do GNN