Professor escreve cartas na calçada pra pessoas tristes na pandemia

1060
Foto: Diego Gurner-Stewart
Foto: Diego Gurner-Stewart

Um artista e professor de inglês teve a ideia de reviver a tradição de escrever cartas como um meio de alcançar e confortar as pessoas.

Brandon Woolf, do Brooklyn, nos EUA, começou a refletir sobre como ajudar a fazer conexões significativa para pessoas que perderam entes queridos, empregos, negócios e abriram mão de prazeres simples como os abraços.

O professor de 37 anos da New York University usa uma máquina de escrever portátil vintage, e sentado em uma cadeira dobrável ao lado de uma caixa de correio, tem uma placa que diz: “Cartas grátis para amigos que se sentem tristes”.

“Quando a conexão interpessoal tá prejudicada, quais são as outras maneiras de ficarmos juntos?”, questiona o professor.

“Qual experiência melhor do que receber uma correspondência em sua caixa de correio, de alguém de que você não esperava receber notícias?”

Woolf passou várias horas, durante quatro semanas, digitando cartas para seus vizinhos de Park Slope, no Brooklyn.

Ao final do projeto, Woolf havia escrito mais de 50 cartas e ajudado pelo menos 100 pessoas a se reconectarem nesses tempos de pandemia.

Veja:

Com informações do GNN