Covid: Israel já reduziu internações de idosos em 60%. Veja como

Benjamin Netanyahu abriu a vacinação em Israel - Foto: Amir Cohen /Reuters
Benjamin Netanyahu abriu a vacinação em Israel - Foto: Amir Cohen /Reuters

Israel está dando um banho nos outros países em relação ao combate à Covid-19 e já começa a apresentar resultados positivos.

Nesta segunda, 25, o Ministério da Saúde de Israel informou que o país registrou uma queda de 60% no número de internações entre a população idosa, após a campanha nacional de vacinação, que começou no dia 20 de dezembro e já está na segunda dose.

As autoridades israelenses afirmam que, em um grupo de 128.600 pessoas, apenas 20 contraíram a Covid-19 por semana, após receberem a segunda dose da vacina Pfizer.

“Esses resultados são muito bons e, se ficarem assim, pode ser que a vacina seja mais eficaz do que a Pfizer estimou durante seus testes”, explicou ao digital Anat Ekka Zohar, responsável pela análise publicada.

Como

Como Israel conseguiu esse resultado em apenas um mês?

O governo israelense fez a lição de casa e agiu rápido desde o início da pandemia para proteger seu povo.

O país está no terceiro lockdown para conter o avanço do número de infectados e nesta segunda, 25, fechou os aeroportos por uma semana para impedir a entrada de novas cepas do coronavírus.

Mas a preocupação e as iniciativas começaram há um ano. Israel foi um dos primeiros do mundo a encomendar e comprar a vacina da Pfizer, antes mesmo de ser aprovada.

Foi também um dos primeiros a iniciar a campanha nacional de vacinação e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deu exemplo ao povo. Ele apareceu ao vivo na TV tomando a vacina, o primeiro a ser vacinado no país.

Em seguida Israel iniciou uma vacinação em massa.

Os profissionais de saúde, que atuam na linha de frente no combate à pandemia, foram os primeiros a receber as aplicações, na sequência, pessoas com mais de 60 anos.

Em pouco mais de três semanas, Israel garantiu que quase 30% de sua população tivesse recebido pelo menos uma dose do imunizante desenvolvido pela Pfizer e BioNTech.

Hoje o país tem o maior número de pessoas imunizadas, com pelo menos a primeira dose da vacina e está aplicando a segunda dose.

A meta agora é vacinar jovens de 16 a 18 anos. Eles entraram neste domingo na lista do público alvo da campanha de imunização.

Abertura da economia

Com a imunização, as autoridades israelenses já enxergam uma luz no fim do túnel. A expectativa é que a economia possa ser reaberta já no mês que vem.

Dados do monitoramento da Universidade Johns Hopkins mostram que Israel teve mais de 610 mil casos de covid-19 e 4.478 mortos até agora.

Com informações do R7