Estudante rifa carneiro para comprar notebook e consegue ajuda

Ricardo conseguiu ajuda após rifar um carneiro para comprar um notebook novo e estudar - Fotos: Instagram
Ricardo conseguiu ajuda após rifar um carneiro para comprar um notebook novo e estudar - Fotos: Instagram

Um estudante do Ceará fez um anúncio inusitado nas redes sociais: a rifa de um carneiro para comprar um notebook novo e poder estudar.

A postagem anunciando o sorteio comoveu muita gente e viralizou no Instagram com mais de 14 mil curtidas. Ricardo Maurício, de 26 anos, recebeu ajuda de pessoas de vários estados e, em pouco tempo, ele conseguiu o dinheiro que precisava adquirir o novo equipamento.

Com a visibilidade que ganhou, o estudante agora quer usar sua experiência para conscientizar outras pessoas a valorizarem a educação e os cientistas brasileiros.

Família humilde

Maurício é de família humilde e vive Tabuleiro do Norte, município no interior do Ceará.

Ele realizou um dos grandes sonhos da sua vida que era ser aprovado no mestrado. Dedicado aos livros, ele contava com auxílio estudantil que o ajudava no que precisava.

Os estudos, inclusive, lhe renderam bons frutos, como o antigo computador. “Sempre gostei de estudar, meu primeiro notebook ganhei em 2012 da prova do SPAECE, uma avaliação do Governo do Ceará em que os estudantes que obtinham a partir de 80% de acerto em português e matemática ganhavam um notebook”, explica o estudante.

Mesmo possuindo a graduação de Engenharia Civil, onde cursou pela UFERSA de Mossoró-RN, ele não conseguiu emprego e está fora do mercado de trabalho desde 2019.

“Me mantinha praticamente com a bolsa de pesquisa, me formei e, desde então, não consegui encontrar emprego. Com a crise, o setor da construção está em não tenho QI (quem indique)”, lamenta Ricardo.

Agora, sem bolsa de estudo no mestrado, a situação se tornou ainda mais desafiadora. O caminho encontrado foi pedir ajuda.

“É nessa hora que percebo o quanto o conhecimento tá se tornando cada vez mais elitizado, pobre tá perdendo cada vez mais espaço. Sem incentivo do governo, pobre não pesquisa”, desabafa.

O dinheiro arrecadado

Mesmo com o dinheiro do notebook já arrecado, Ricardo resolveu manter a campanha no ar, já que o oferecimento de ajuda não para de chegar. O dinheiro extra será usado por ele custear outros gastos que terá com o mestrado, como moradia e alimentação.

A meta é se dedicar inteiramente à pesquisa. Outras contribuições podem ser feitas através do PIX (88) 99945-9704.

Incentivos para outros ‘Ricardos”

Com a repercussão da postagem, Ricardo afirma que quer aproveitar a visibilidade para chamar a atenção para a situação de outros estudantes que também sofrem com a falta de incentivo estudantil.

A expectativa é conscientizar as pessoas a valorizar ainda mais o trabalho dos pesquisadores e a ciência do país, somando na luta por mais investimentos na área.

“É uma situação que também está acontecendo com meus outros colegas de mestrado. Como não tem bolsa suficiente, muitos têm que conciliar mestrado com outro trabalho. Isso causa um prejuízo enorme no andamento das pesquisas porque o mestrado exige dedicação exclusiva”, explica.

A falta de investimento na educação prejudica o sonho de muitas pessoas que querem trabalhar com pesquisa e, por consequência, contribuir para o desenvolvimento do país.

“Infelizmente, cientistas brasileiros que querem desenvolver tecnologias de ponta estão tendo que sair do país para encontrar incentivo no exterior. O governo brasileiro não tem a consciência de que nós somos objeto de transformação da sociedade”, reflete.

O desejo De Ricardo agora é somar e fazer com que outras pessoas possam abraçar a causa da valorização da educação e da pesquisa.

“Quando esse sorteio terminar, quero me dedicar somente aos meus estudos. Meu único intuito é dar voz à educação e à pesquisa. O meu desejo é que outras pessoas possam também somar e fazer a diferença para valorização dessa área”, concluiu.

Veja o post que viralizou:

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Ricardo Maurício (@_ricardomauricio)

Com informações da Agência Educa Mais Brasil