Professora é indicada a prêmio internacional por pesquisa sobre câncer

1617
Professora Juliana Inaba foi indicada por pesquisa que aponta tratamento de câncer com alga Nori - Foto: divulgação
Professora Juliana Inaba foi indicada por pesquisa que aponta tratamento de câncer com alga Nori - Foto: divulgação

Uma professora brasileira foi indicada para receber o Prêmio Internacional de Pesquisa em Oncologia e Câncer, na categoria ‘Melhor Pesquisa’.

Juliana Inaba é professora de Química na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), no Paraná. A pesquisa dela fala sobre o potencial tratamento contra o câncer, a partir de algas marinhas.

“Esta indicação é um reconhecimento dos nossos esforços contínuos para a execução de projetos de pesquisa de ponta, com resultados impactantes na comunidade científica”, disse a professora.

O estudo

Apesar de ter um título um pouco complexo, a pesquisa se dá de uma forma mais simplificada.

O artigo se chama “Nanopartículas de prata com cobertura de porfirano como um agente antibacteriano promissor e modificador de eletrodo para eletroanálise de 5-fluorouracil” (traduzido do inglês).

Juliana explica que o grupo dela descobriu que é possível tratar tumores malignos com o polissacarídeo sulfatado Porfirana, que é popularmente conhecido como Nori, a alga utilizada para o preparo de sushis.

A alga consegue reduzir e estabilizar a evolução da doença, efetivando tratamentos paralelos, já utilizados na medicina convencional.

A pesquisa foi feita em parceria com o Gebb e o Grupo de Eletrodos Modificados (GDEM), sob liderança das professoras Karen Wohnrath e Christiana Pessôa.

“O grupo trabalha atualmente com o desenvolvimento de sistemas para detecção de biomarcadores de proteínas relacionadas ao câncer e ao diagnóstico de doenças raras”, completa Juliana.

Prêmio Internacional

Por causa das restrições pela pandemia, o prêmio foi em cerimônia online, entre os dias 18 e 20 de julho.

Para Juliana, ter o nome dela associado a uma premiação tão grande para a medicina, só eleva o potencial dos cientistas e dos estudos brasileiros.

“Esta indicação é um reconhecimento dos nossos esforços contínuos para a execução de projetos de pesquisa de ponta, com resultados impactantes na comunidade científica”, diz a professora.

E além da Juliana, outras duas cientistas também desenvolveram um tratamento para o câncer, mas dessa vez a partir do zika vírus. Estamos com uma arrecadação para viabilizar esse tratamento para a população brasileira. Você pode ajudar na nossa plataforma Só Vaquinha Boa!

 

Com informações de Bem Paraná