Filha leva abacaxi para colação de grau em homenagem aos pais

1399
Emylla de Sousa levou um abacaxi na formatura para homenagear os pais agricultores que bancaram os estudos da filha - Fotos: reprodução / Instagram
Emylla de Sousa levou um abacaxi na formatura para homenagear os pais agricultores que bancaram os estudos da filha - Fotos: reprodução / Instagram

Foi segurando um abacaxi que a maranhense Emylla de Sousa, de 23 anos, fez a sua colação de grau em enfermagem na última sexta-feira em Teresina, no Piauí.

O abacaxi foi uma homenagem aos pais dela, que são agricultores e venderam a vida toda a fruta para incentivar e bancar as despesas da graduação da filha.

“Desde pequena ela sonhava em estudar e, para nossa comunidade, de dentro da roça, era um sonho quase impossível”, contou toda feliz a mãe, Erislandia Alves de Sousa, 42 anos.

Ela lembra que foram muitos abacaxis para pagar moradia e todas as despesas da filha durante todos esses anos.

Fruta foi o sustento da família

Emilly é natural de São Domingos, interior do Maranhão e sonhava desde criança em estudar em Teresina.

Para realizar esse sonho, os pais começaram a plantação de abacaxi, mesmo em quantidade pequena.

Então, foram aumentando a plantação e passaram a vender no Ceasa em Teresina. Todos os dias, eles e a filha percorriam mais de 240 km para vender a fruta.

“Ela ia com a gente, via aquele movimento todo e foi então que esse sonho ficou mais intenso ainda, de morar em Teresina e fazer uma faculdade”, lembrou a mãe.

Curso e bolsa

Já no ensino médio, depois de alguns testes vocacionais e pesquisando sobre a carreira, ela decidiu pela enfermagem.

Em seguida, se dedicou, e conseguiu Fies e bolsa de 70% pelo Prouni.

“A mensalidade não foi paga integralmente com a venda do abacaxi porque tinha a bolsa, mas minhas xerox do curso e todo o resto era da venda dos abacaxis. Eu mesma vendi muito abacaxi na faculdade, pros meus colegas”, disse.

Coordenadora do curso de enfermagem da faculdade onde a jovem estudou, a professora doutora Karla Joelma Bezerra, disse que a estudante sempre se destacou pela dedicação.

Desafios

A mudança de cidade também exigiu que Emylla superasse um trauma. Vítima de abuso sexual aos 9 anos de idade, a garota teve de enfrentar o desafio de morar sozinha em uma cidade desconhecida.

Devido a isso, a jovem enfermeira se especializou na área de estomaterapia dentro da enfermagem – que cuida do tratamento de feridas e fístulas.

“Fazer enfermagem pra mim é ter esse objetivo de futuramente poder ajudar outras meninas a se curarem de abusos sexuais na infância ou adolescência”, disse.

abacaxi-pais-agricultores
Os pais de Emylla sustentam a casa com a venda de abacaxi. Foto: Arquivo Pessoal
Emylla de Sousa com o abacaxi na colação de grau - Foto: reprodução / Instagram
Emylla de Sousa com o abacaxi na colação de grau – Foto: reprodução / Instagram

Com informações de O Povo