Eclipse Lunar Total será visto com lua avermelhada: Lua de Sangue

-
Por Andréa Fassina
Compartilhar
Imagem de capa para Eclipse Lunar Total será visto com lua avermelhada: Lua de Sangue
Sendo um eclipse total, a sombra da Terra cobrirá a Lua por completo deixando-a com um aspecto avermelhado deslumbrante. Foto: reprodução

O eclipse lunar será visto na semana que vem, entre os dias 15 e 16 de maio, com a Lua assumindo um aspecto avermelhado, conhecido como “Lua de Sangue‘.

O fenômeno é caracterizado pelo alinhamento do Sol, Terra e Lua. Isso faz com que nosso satélite natural reflita esses tons. Isso ocorre porque a Terra fica alinhada entre o Sol e a Lua, mas isso não é o suficiente para bloquear 100% dos raios solares.

Programe-se para assistir! O eclipse vai aparecer no céu por volta das 22h30 no horário de Brasília, na noite de domingo, 15. Sua fase total ocorre na madrugada do 16, às 1h11 da manhã. O fenômeno perdura até 4h da manhã.

O fenômeno poderá ser visto da América do Sul e quase totalmente da América do Norte. Nas regiões da África e Europa Ocidental, ele poderá ser visto parcialmente.

Superfície Lunar

A NASA explica que esse evento ocorre quando “a única luz que chega à superfície da Lua é aquela que passa pela atmosfera da Terra”.

As moléculas do ar atmosférico “ocultam” o espectro azul e fazem com que a luz refletida na superfície lunar seja avermelhada. Essa é a mesma ciência por trás da cor alaranjada do céu durante o pôr do sol.

Sendo um eclipse total, a sombra da Terra cobrirá a Lua por completo deixando-a com um aspecto avermelhado deslumbrante.

Ao longo do evento, você pode acompanhar a sombra terrestre se espalhando pela superfície lunar, até cobri-la completamente.

Eclipse Lunar

Um eclipse lunar total ocorre quando a Lua e o Sol estão exatamente em lados opostos da Terra.

A Lua fica na sombra da Terra, mas um pouco da luz solar atravessa a Terra e atinge o satélite. Quanto mais poeira ou nuvens na atmosfera da Terra durante o eclipse, mais vermelha a Lua aparecerá.

De acordo com a Nasa, este fenônemo faz com que a Lua pareça cerca de 7% maior que a média.

Com informações da Exame