Jovem que passou quase 20 anos sem sobrenome realiza sonho

-
Por Rinaldo de Oliveira
Compartilhar
Imagem de capa para Jovem que passou quase 20 anos sem sobrenome realiza sonho
Após viver 18 anos sem sobrenome, Raquel foi adotada por duas mães e agora se chama Maria Raquel Costa de Lima - Fotos: Reprodução /TV Verdes Mares e DPCE

Imagina viver sem sobrenome, e por isso enfrentar chacota e ainda não ter direitos básicos de cidadão? Isso aconteceu com Raquel nos últimos 18 anos. Ela sempre sonhou em ter um sobrenome para acabar com esse constrangimento sem fim e agora ela conseguiu.

Raquel foi adotada por duas mães e passou a se chamar nos papeis Maria Raquel Costa de Lima: “Meu sonho! Segurar a minha certidão de nascimento com o nome Maria Raquel Costa de Lima, filha da Elizangela e da Rosilene”, comemorou a jovem.

Raquel passou por diversos problemas, como não conseguir ser vacinada contra Covid-19. Ela, inclusive, tem uma filha de quatro anos, que também tem apenas um nome.

O motivo de não ter sobrenome

A jovem Raquel, 18 anos, nunca teve um nome completo no registro de nascimento, nem os nomes dos pais e avós.

Ela foi adotada quando tinha três anos e chegou na casa da família sem documento.

A mãe de criação, Maria de Fátima Costa de Lima, faleceu antes de conseguir ajustar um processo adotivo. Com isto, a filha dela, Rosilene Lima, assumiu a maternidade de Raquel.

“A gente conseguiu fazer a certidão de nascimento dela só com Raquel para poder se matricular no colégio. Só um colégio aceitou e sempre foi uma dificuldade grande para resolver qualquer coisa”, conta Rosilene, de 38 anos.

Decisão da Justiça

Raquel é do Ceará. Ela tinha certidão de nascimento, mas sem filiação e sem sobrenome. Apenas Raquel.

O caso chegou à Defensoria Pública do Ceará em 2021 e teve final feliz depois que apareceu na imprensa.

A juíza Valeska Alves Alencar Rolim, da 3ª Vara de Família, acatou o pedido da Defensoria Pública no mês passado.

“Entramos com uma ação de adoção de pessoa maior e comprovamos esse vínculo entre a Raquel e as duas mães, Rosilene e Elizângela. Havia uma relação de parentesco afetivo, laços, toda a família reside na mesma casa. Assim, o Poder Judiciário determinou a procedência da adoção”, explica Natali.

“Rosilene e Elizângela têm uma relação duradoura e tinham o desejo de serem as mães da jovem Raquel. Reunimos várias provas com os documentos que elas possuíam e deu certo. Importante ressaltar aqui que para todos os casos há uma solução jurídica. São várias situações que precisamos analisar, mas há sempre um caminho”, complementa a defensora.

Adoção tardia

A adoção de maiores de 18 anos está prevista no Código de Processo Civil (CPC) e os casos são encaminhados para as Varas de Família. A defensora pública Alessandra de Freitas foi a responsável pelo acompanhamento na 3ª Vara de Família.

“Atualmente, muitos assistidos procuram a Justiça buscando o reconhecimento do vínculo afetivo de parentesco, inclusive sem perder o vínculo biológico. No presente caso, Raquel buscava o reconhecimento de uma situação de fato que persistia há vários anos, ou seja, a constituição do vínculo de maternidade existente entre ela e suas genitoras”, explica Alessandra.

“A presente ação possibilitou não apenas que duas mulheres, mães afetivas de Raquel, tivessem seu vínculo de parentesco reconhecido, mas também que a jovem possa ter direito a um nome e sobrenome, fato este que trará vários benefícios a sua vida pessoal e profissional, bem como de sua filha ainda menor”, destaca a defensora.

A Filha de Raquel

A jovem de 18 anos é mãe de uma menina de quatro anos, a Raquelly — também sem sobrenome na certidão de nascimento. O pai da criança não a registrou, por isso ela também não tem o sobrenome do genitor no documento, já que só consta o da mãe: Raquel.

Agora, depois da mãe, Raquelly vai ser a próxima a poder emitir todos os documentos com as informações completas. Neste caso, a defensora Natali Massilon Pontes antecipa que se trata de uma nova ação.

“É uma nova ação judicial, porque provavelmente teremos que acionar o pai, dar entrada em uma ação de investigação de paternidade, fazer o exame de DNA e seguir com a ação de retificação de registro da criança”, explica Natalia.

“Estamos diante de um caso onde se concretiza a ausência de cidadania sendo repassada de geração em geração, e o nosso trabalho é tentar propiciar a essas pessoas o direito de elas exercerem com plenitude a cidadania”, complementa a defensora.

O novo documento de Raquel já com o o sobrenome das duas mães - Foto: DPCE/Reprodução

O novo documento de Raquel já com o o sobrenome das duas mães – Foto: DPCE/Reprodução

Raquel, a filha Raquelly e as mães, Rosilene e Elizangela, no Ceará. — Foto: DPCE/Reprodução

Raquel, a filha Raquelly e as mães, Rosilene e Elizangela, no Ceará. — Foto: DPCE/Reprodução

Raquel é mãe de uma menina de quatro anos, a Raquelly. — Foto: Reprodução/TV Verdes Mares

Raquel é mãe de uma menina de 4 anos, a Raquelly. — Foto: Reprodução/TV Verdes Mares

Com informações da DefensoriaPúblicadoCeará