Modelo com Down é destaque por beleza incomum e discurso de inclusão

-
Por Andréa Fassina
Compartilhar
Imagem de capa para Modelo com Down é destaque por beleza incomum e discurso de inclusão
Jessica Jacinto da Venezuela está na carreira há 10 anos e vem ganhando destaque nas passarelas Foto: reprodução

Uma modelo venezuelana com síndrome de down tem ganhado as passarelas internacionais e chamado a atenção pela beleza, graciosidade e uma mecha branca peculiar no cabelo.

Aos 22 anos, Jessica Jacinto é símbolo de inclusão e empoderamento. Já conseguiu desfilar nas passarelas mais importantes e posar em muitas campanhas publicitárias em seu país, superando todas as negativas que recebeu no início da carreira.

Para ela, a modelagem tornou-se fonte de autoconfiança e Jessica trabalha todos os dias para ser selecionada para desfilar. “No minuto em que estou na passarela, eu me torno outra pessoa. É quase como se houvesse alguém dentro de mim se libertando de repente. Eu me sinto empoderada.”

Carreira

Em quase 10 anos de carreira, a jovem já participou de inúmeros castings e foi convidada para fotografar por diversas marcas. Todas elas destacaram o carisma e a força da modelo.

“Esse sempre foi o mundo dela”, disse Yanira, mãe de Jessica e responsável por administrar suas redes sociais. É, inclusive, por meio dos perfis da filha na internet que a maioria das propostas de trabalho chegam.

A jornada para a modelagem começou quando Jéssica tinha 14 anos. Na época, ela e a mãe receberam um convite para um concurso de beleza para meninas com síndrome de Down. As duas aceitaram apenas para tentar algo diferente. E deu certo!

Modelo internacional

Jessica decidiu que se tornar uma modelo internacional era seu sonho de vida: “Para mim, ser modelo é como estudar uma carreira que eu gosto, pela qual sou realmente apaixonada ”, disse ela.

“E acredite ou não, é preciso dedicação e inovação para melhorar”, acrescentou.

Embora Jéssica tenha tido muitas oportunidades de trabalho, sua mãe acredita que ainda há um longo caminho a percorrer na Venezuela em termos de inclusão.

Algumas grandes agências de modelos já desencorajaram a garoto, no entanto, isso nunca a impediu de persistir.

“Somos diferentes, mas não inferiores”, diz Jessica, que também é membro da Cruz Vermelha venezuelana.

A modelo se orgulha do caminho que percorreu, do esforço de seus pais para encontrar seu lugar e está muito motivada pelo trabalho porque é sua paixão.

“Para mim, ser modelo é como estudar uma carreira que você gosta, que você é realmente apaixonada”, concluiu Jessica.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Jessica Jacinto (@jessica_model99)

Com informações do UPSOCL