Como parar “o trem” da ansiedade em 6 passos

5106
Foto: Shutterstock|
Foto: Shutterstock|

No dicionário, ansiedade significa “grande mal-estar físico e psíquico; aflição, agonia; desejo veemente e impaciente”. Mas quem sofre desse mal sabe que é vai muito além disso.

O que acontece com você quando seu chefe diz “eu preciso falar depois com você”? Ou quando você precisa ter uma conversa “difícil” com um ente querido? Palpitação? Mãos transpirando? A cabeça fica nebulosa?

A maioria das pessoas relataria sentimentos de medo ou nervosismo, mas para as pessoas que sofrem de ansiedade, esses sentimentos podem ser debilitantes. “como um elefante sentado no meu peito”.

A psicoterapeuta e professora norte-americana Ashley compara a ansiedade a um trem que está partindo. “Nos identificamos com o que está acontecendo e, infelizmente, isso serve apenas para intensificar a velocidade do trem, em vez de diminuir a velocidade”.

Ela conta que a meditação ajuda regular e diminuir esse sentimento, ajuda a discernir as mensagens que a ansiedade está enviando, e isso ajuda você a se tornar melhor para voltar ao momento presente.

“Minha busca para entender e ajudar minha ansiedade me levou à terapia, meditação e atenção plena. Isso também levou a me tornar uma psicoterapeuta que ensina práticas de meditação e atenção plena”, conta.

Especialista no assunto, Ashley ensina 6 passos fáceis para conter a ansiedade desenfreada.

1. Entenda seus sinais de ansiedade
Muitas vezes a pessoa não percebe que está em um padrão de pensamento chamado “tropeçar no futuro” -quando começa a tentar descobrir o futuro. Parece que tem um elefante sentado em seu meu peito. A psicoterapeuta ensina: “Eu não preciso saber o que é, ou o porquê – tudo o que preciso saber é que este é um dos meus sinais.

2. Faça uma prática de atenção ativa
Não basta apenas pensar nisso, você precisa realmente ter atenção ativa. “Para mim, eu preciso pausar o momento, respirar profundamente, sentir as superfícies à minha volta por textura e temperatura, e ficar presente”, ensina Ashley.

3. Confira novamente
Faça e confira o que fez, sem pressa. O que eu costumo ouvir de meus pacientes é: “Eu tentei e não funcionou.” Bem, isso é verdade – o que tentamos pode não funcionar, e é por isso que temos que ter uma caixa de ferramentas cheia de coisas para tentar. Um carpinteiro nem sempre usa apenas uma ferramenta para fazer um trabalho.

4. Experimente outra coisa ( se necessário)
Muitas vezes, as pessoas tentam impulsionar a ansiedade e diminuir rápido sua intensidade e depois voltam a cair novamente mais tarde.  “Talvez eu precise me afastar do que estou fazendo naquele momento; Talvez eu precise chamar alguém; Ou, eu posso sentar e fazer uma prática de respiração mais longa. Isso é porque é muito melhor ser minucioso em sua atenção plena, em vez de subestimar sua ansiedade e lamentar mais tarde”.

5. Afaste maus pensamentos

Ao praticar algo novo que é “bom”, muitas vezes atacamos a oportunidade – auto-sabotagem – e pensamos negativamente sobre “como está indo”. Em vez disso, temos de ser compreensivos com nós mesmos.

6. Faça meditação

O que estamos falando aqui é um “trem fugitivo”. É preciso ter prática, persistência e paciência para diminuir a velocidade desse grande monte de metal chamado ansiedade. As práticas de meditação e atenção plena fornecem as ferramentas necessárias para reconhecer seus sinais de ansiedade e utilizar a compaixão de si mesmo para fazer as mudanças que você estava procurando, em relação à sua ansiedade e ao seu trem fugitivo.

Ashley é co-diretora e professora do Evenflow, é uma psicoterapeuta licenciada e professora certificada de atenção e meditação em West Los Angeles e administra o programa Family Mindfulness no The Center for Mindful Living, onde ensina a meditação a adultos, crianças e pessoas em reabilitação que sofrem do problema.

Com informações do GNN