Colírio à base de açafrão pode frear glaucoma

5690
Foto: Reprodução Daily Mail
Foto: Reprodução Daily Mail

O açafrão da terra, ou cúrcuma, pode ser a esperança contra o glaucoma, uma lesão do nervo óptico que pode provocar a cegueira, à medida que aumenta a pressão ocular.

Pesquisadores da University College London e Imperial College London descobriram que a curcumina – um derivado do tempero que também é usado no curry – pode ser usada em colírios para deter a perda de visão.

O estudo, publicado na Scientific Reports, mostra que esses colírios reduziram a perda de células cruciais da retina em ratos.

Os cientistas acreditam que suas descobertas, baseadas em células humanas e ratos, abrem caminho para um método mais confiável para administrar a curcumina aos pacientes.

Colírios

Colírios são o principal tratamento para o glaucoma, de acordo com o NHS. Todos eles trabalham reduzindo o acúmulo de pressão nos olhos dos pacientes.

A administração de curcumina como colírio aumenta o fator de solubilidade do composto em quase 400.000 vezes.

O estudo

A professora Francesca Cordeiro, que liderou o estudo, descreveu a curcumina como um composto “excitante”.

O estudo foi conduzido pela primeira vez em células ganglionares da retina no laboratório, antes de passar para testar os colírios em ratos.

Os roedores que receberam o colírio duas vezes ao dia durante três semanas apresentaram níveis muito mais baixos de perda de células ganglionares da retina do que seus colegas.

Nenhum efeito colateral, incluindo irritação ou inflamação, foi observado pela equipe de pesquisadores.

O composto tem baixa solubilidade, o que significa que ele não se dissolve facilmente e pode levar muito tempo para entrar na corrente sanguínea.

Os pacientes precisariam, portanto, tomar até 24 comprimidos de curcumina por dia para ver o benefício suficiente do composto.

O glaucoma

O glaucoma, uma das principais causas de cegueira, envolve principalmente a perda de células ganglionares da retina, localizadas perto da superfície da retina.

O problema atinge 60 milhões de pessoas em todo o mundo e prevalece entre os idosos.

Com informações do Daily Mail