Pesquisadora brasileira descobre remédio eficaz contra câncer de ovário

Carolina Gonçalves Oliveira desenvolveu uma substância que é mais eficaz Foto: Arquivo PessoalCarolina Gonçalves Oliveira desenvolveu uma substância que é mais eficaz Foto: Arquivo Pessoal

Uma pesquisadora brasileira descobriu um remédio mais eficiente contra o câncer de ovário, do que o usado atualmente na quimioterapia.

A professora Carolina Gonçalves Oliveira é do Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia, mas a pesquisa dela foi realizada na Universidade de São Paulo, em São Carlos.

Carolina e seus colegas desenvolveram um composto à base de paládio – metal branco prateado pertencente ao mesmo grupo da platina. Ele é capaz de combater células de tumor de ovário sem afetar o tecido saudável, problema que acontece com a cisplatina, utilizada atualmente.

Como

Pra usar a substância no combate ao câncer foi preciso criar moléculas mais estáveis, contendo o metal.

Depois de testar diversas combinações, Carolina identificou duas que, além de paládio, contêm compostos chamados tiossemicarbazonas, classe que promove o efeito de estabilização.

Alguns compostos da classe das tiossemicarbazonas são conhecidos por atuar na chamada topoisomerase, enzima presente em tumores e que participa do processo de replicação do DNA – alvo potencial, portanto, para quimioterápicos.

A cisplatina, por sua vez, atua diretamente no DNA, causando mudanças estruturais no material genético que impedem a célula tumoral de copiá-lo.

“São alvos diferentes, mas tanto a cisplatina quanto os compostos de paládio inibem o processo de divisão celular do tumor,” explicou o professor Victor Marcelo Deflon, coordenador do projeto.

Testes promissores

Em testes realizados nas culturas de células tumorais, verificou-se que 70% do complexo atravessa a membrana celular em 24 horas.

Além disso, o complexo 1 tem ação quase três vezes superior contra as células tumorais resistentes à cisplatina.

Ao mesmo tempo, ele não afeta células saudáveis. Essa característica seletiva confere menor toxicidade à molécula, evitando os efeitos colaterais dos tratamentos atuais.

Humanos

Os pesquisadores buscam agora desenvolver versões ainda mais eficientes da substância.

A ideia é obter uma molécula que possa ser testada em animais com grande chance de sucesso.

Só depois de testes bem-sucedidos nesses modelos o candidato a fármaco poderia ser testado em humanos.

Com informações do Diário da Saúde

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.