FDA aprova tratamento com sangue de quem se curou do coronavírus

Foto: reprodução
Foto: reprodução

Um tratamento promissor e histórico, que utiliza o sangue de pacientes curados do coronavírus, será usado para os doentes mais graves, após aprovação do FDA,  Food and Drug Administration, a agência de medicamentos norte-americana.

O tratamento envolve a retirada de plasma sanguíneo de um indivíduo que se recuperou e desenvolveu uma imunidade ao COVID-19, testando o sangue para o anticorpo relacionado e, em seguida, o plasma dele é injetado em um paciente doente, para que o anticorpo possa teoricamente atacar o vírus.

“O uso de plasma convalescente foi estudado em surtos de outras infecções respiratórias, incluindo a pandemia do vírus influenza H1N1 2009-2010, epidemia de SARS-CoV-1 de 2003 e epidemia de MERS-CoV de 2012”, escreve a FDA.

“Dada a emergência de saúde pública que o surto em expansão de COVID-19 apresenta, enquanto estão sendo realizados ensaios clínicos, a FDA está facilitando o acesso ao plasma convalescente de COVID-19 para uso em pacientes com infecções graves ou imediatamente fatais por COVID-19 por meio da processo de emergência de um único paciente Investigational New Drug Applications (eINDs) para pacientes individuais abaixo de 21 CFR 312.310. Esse processo permite o uso de um medicamento sob investigação para o tratamento de um paciente individual por um médico licenciado mediante autorização da FDA. Isso não inclui o uso de plasma convalescente COVID-19 para a prevenção de infecção”, diz a página da FDA.

Tratamento para pacientes graves

O tratamento será agora disponibilizado para aqueles que sofrem sintomas graves, ou estão com risco de vida por causa do COVID-19, de acordo com o novo procedimento de aplicação de medicamentos de emergência da agência americana.

As autoridades de saúde de Nova York esperam recrutar pacientes com COVID de New Rochelle – marco zero para a infecção do estado e área com a maior número de pessoas que se recuperaram – para ver se algum deles estaria disposto e também doadores viáveis.

O Dr. Arturo Casadevall, o chefe de microbiologia molecular e imunologia da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, defende o tratamento por plasma com base em seus sucessos anteriores, com doenças como Ebola e influenza.

“Ele tem uma alta probabilidade de funcionar, mas não saberemos até que esteja pronto…”Sabemos que, com base na história, há uma boa chance.”, disse ele à CNN .

Ele também diz que ficou “impressionado” com o número de pessoas que querem doar seu plasma e com o número de médicos que desejam entender e implantar o tratamento em países ao redor do mundo.

Ensaios clínicos

“Embora promissor, o plasma convalescente não demonstrou ser eficaz em todas as doenças estudadas”, disse o FDA.

“Portanto, é importante determinar, através de ensaios clínicos, antes da administração rotineira de plasma convalescente em pacientes com COVID-19, que é seguro e eficaz fazê-lo.”

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse que esse era um tratamento que ele estava muito interessado em tentar, ao enfrentar um dos maiores surtos nos EUA.

Com informações do FDAGNN e CNN

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no: