Cientistas holandeses criam anticorpo que destrói o coronavírus

Foto: BerendJan Bosch/UU
Foto: BerendJan Bosch/UU

Cientistas da Universidade de Utrecht, na Holanda, criaram um anticorpo monoclonal que pode derrotar o novo coronavírus.

De acordo com o estudo publicado nesta segunda-feira, 4, na revista científica Nature Communications, o anticorpo experimental 47D11 foi capaz de neutralizar a proteína spike em testes em laboratório.

É essa proteína que fica na superfície do novo coronavírus e dá a ele a forma de “coroa”. E é por ela que o vírus ataca as células do organismo.

Nos experimentos de Utrecht, o anticorpo derrotou o vírus responsável pelo Covid-19 e evitou os sintomas que causam a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

Em outras palavras, os resultados mostraram que o 47D11 é capaz de neutralizar tanto o coronavírus causador da Sars, quanto o novo coronavírus, causador da Covid-19.

A Universidade ainda anuncia que o coordenador do estudo, Berend Jan Bosh (foto acima) vai dar uma entrevista coletiva on-line no dia 14 de maio para explicar a descoberta à imprensa.

Os testes

Os testes realizados em laboratório se mostraram promissores para conter a propagação da pandemia.

O anticorpo pode ajudar a prevenir ou tratar a Covid-19 e doenças relacionadas no futuro, sozinho ou em uma combinação de drogas.

“Essa descoberta fornece uma base sólida para pesquisas adicionais para caracterizar esse anticorpo e iniciar o desenvolvimento como um potencial tratamento com COVID-19”, disse Frank Grosveld, PhD. co-autor principal do estudo, professor da Academia de Biologia Celular, Centro Médico Erasmus, Roterdã e diretor científico fundador da Harbor BioMed. 

“O anticorpo usado neste trabalho é ‘totalmente humano’, permitindo que o desenvolvimento prossiga mais rapidamente e reduzindo o potencial de efeitos colaterais relacionados ao sistema imunológico”, completa Grosveld.

Anticorpos monoclonais

Anticorpos monoclonais são proteínas criadas em laboratório que se assemelham às versões naturais que o corpo cria para combater bactérias e vírus. 

Os cientistas usaram camundongos geneticamente modificados para produzir anticorpos diferentes para as proteínas do coronavírus. 

Os pesquisadores reformataram o anticorpo 47D11 para criar uma versão totalmente humana, de acordo com o artigo.

“Os anticorpos monoclonais direcionados a locais vulneráveis ​​nas proteínas da superfície viral são cada vez mais reconhecidos como uma classe promissora de medicamentos contra doenças infecciosas e têm demonstrado eficácia terapêutica para vários vírus”, disse o coordenador do estudo, Berend-Jan Bosch, da Universidade de Utrecht.

Os anticorpos terapêuticos convencionais são desenvolvidos primeiro em outras espécies e, em seguida, precisam ser submetidos a um trabalho adicional para “humanizá-los”.

Como

O anticorpo foi gerado usando a tecnologia de camundongo transgênico H2L2 da Harbor BioMed.

Os anticorpos monoclonais já provocaram uma revolução no tratamento do câncer tornando-se alguns dos mais vendidos no mundo. 

Segundo os pesquisadores, essa descoberta pode dar uma base sólida para outras pesquisas e iniciar o desenvolvimento de “um potencial tratamento para Covid-19”.

Mais pesquisas são necessárias para verificar com qual precisão o anticorpo derrota o vírus, diz o professor e coordenador do estudo, Berend-Jan Bosch, da Universidade de Utrecht.

Com informações da Bloomberg Nature Communications Universidade de Utrecht