Duas brasileiras ganham maior prêmio de conservação do meio ambiente

Patrícia Medie e Gabriela Cabral Rezende - Fotos: Liana John e Katie Garrett
Patrícia Medie e Gabriela Cabral Rezende - Fotos: Liana John e Katie Garrett

Duas cientistas brasileiras receberam o maior prêmio da conservação ambiental do mundo, o prestigiado Whitley Awards, do Whitley Fund for Nature, no Reino Unido.

As pesquisadoras brasileiras vencedoras são Patrícia Medici e Gabriela Cabral Rezende, ambas da ONG IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas.

O chamado “Oscar Verde” anunciou os grandes vencedores do ano no último dia 29.

Patrícia Medici recebeu o Gold Award, principal premiação da fundação, pelo seu trabalho de décadas com as antas.

A engenheira florestal é responsável pela criação do maior banco de dados sobre a espécie do mundo. Com sua equipe, Patricia realiza pesquisas de ponta para entender a ecologia das antas e informar ações de conservação na Mata Atlântica, no Pantanal e no Cerrado.

Gabriela Cabral Rezende recebeu o Whitley Award, oferecido também a mais cinco conservacionistas de outros países, pelo seu trabalho de conservação do mico-leão dourado, mais uma espécie que infelizmente está ameaçada pela ação humana no planeta.

Elas agradeceram e prometeram resistência para conservar o meio ambiente.

“A inspiração em pesquisadores pioneiros é a energia que me faz avançar. Enquanto conservacionista, meu sonho é salvar espécies ameaçadas de extinção. Fazer a diferença para uma espécie e seu habitat é o caminho que encontrei para deixar um planeta melhor para as gerações futuras e inspirá-las a se envolver com a conservação, seja profissionalmente ou nas ações do dia-a-dia. Com o prêmio, espero também poder motivar outras cientistas mulheres a atuar pela conservação ambiental”, disse Gabriela.

“Receber este prêmio é extremamente importante, particularmente pelo momento pelo qual passamos. Mais do que nunca, precisamos ressaltar a importância de manter o equilíbrio de nossos ecossistemas. A atual crise de pandemia que vivemos está intimamente conectada com a destruição de nossos ecossistemas e com a forma como lidamos com a natureza. Nunca na história vimos tantos impactos causados por nós seres humanos na natureza. Agir agora é sumamente importante para que possamos reverter os impactos das emergências climáticas e evitar futuras extinções de nossa vida selvagem. Conservacionistas como eu devem participar ativamente na definição da agenda ambiental na próxima década”, alertou Patricia.

Pandemia

O prêmio anual, com cerimônia oficial em Londres, geralmente é entregue pela Princesa Real Princess Anne.

Este ano a cerimônia foi adiada em função da pandemia, mas os vencedores receberão seus prêmios, como reconhecimento por seus feitos na conservação de espécies ao redor do mundo e recursos financeiros a serem aplicados na continuidade de seus projetos.

Com informações do Ecoa e CicloVivo