Garotinho salvo após agressão dos pais, retribui a hospital: R$ 3 milhões

Foto: David Tett Photography
Foto: David Tett Photography

O pequeno Tony Hudgell, de 5 anos, já arrecadou mais de 500 mil libras – quase R$ 3 milhões – para ajudar o hospital que salvou a vida dele quando era bebe e foi gravemente ferido após agressão dos pais biológicos. O menino teve que amputar as pernas na época.

Tony usa pernas protéticas e muletas. Mesmo assim, decidiu realizar o desafio de andar 300 metros por dia – perto de sua casa em Kings Hill, Kent, na Inglaterra – desde 1º de junho, para retribuir ao Hospital Evelina London.

Ele pretende chegar aos 10 km de caminhada. No 13º dia, ele já estava na metade do caminho, com a marca de 4,9 km.

O garotinho se inspirou no ex-oficial do exército Capitão Tom Moore, que também arrecadou dinheiro caminhando – quase 198 milhões de reais – para um hospital, numa campanha pra ajudar vítimas da Covid.

História

Segundo informações do britânico Mirror, em 2014, o menino chegou ao hospital Evelina London Children’s, em Londres, na Inglaterra gravemente ferido, após abusos dos pais biológicos.

Na época, os médicos pensaram que ele não sobreviveria. Os especialistas tiveram que amputar as duas pernas da criança, que tinha múltiplas fraturas, traumas e falência de múltiplos órgãos.

E desde então Tony vem superando os desafios… e agora tem mais um pela frente.

“Queríamos que ele tivesse um desafio para ver se suas próteses funcionariam”, disse Paula, ao Mirror.

Ela contou que ficou impressionada com o desempenho do filho, mesmo depois de tudo que ele sofreu.

Hoje, Paula e o marido, Mark, lutam para aprovar a “Lei de Tony”, para insituir punições mais duras para abuso de criança pelos pais.

Com informações do Mirror e Revista Crescer