Órfão alemão funda projeto que ajuda centenas de crianças no Piauí

Projeto AMARE - Foto: divulgação
Projeto AMARE - Foto: divulgação

O casal Iara e Eduardo, Caçadores de Bons Exemplos, encontrou no nordeste do Brasil, um imigrante alemão que foi capaz de se sensibilizar pelas mazelas do povo brasileiro de forma tão intensa e verdadeira, que o fez mudar de país, abandonar a seminário e recomeçar sua história se doando por completo a um povo que nem era seu.

O alemão Johannes Shorzak sentiu na pele a empatia no seu grau mais completo ao chegar no Brasil. Em uma missão do seminário em que estudava, ele viu dezenas de crianças com fome, frio e sem família, assim como ele, que perdeu a mãe quando tinha apenas 5 anos de idade.

João Alemão, como é chamado, foi criado com amor e carinho e teve oportunidades na vida graças a uma instituição que o acolheu e criou e, por isso, ao ver a cena que representava uma história que poderia ser sua, entendeu que seu chamado era maior do que pensava e muito distante de casa.

A chegada

Desde o dia em que decidiu fazer do nordeste sua casa e daquele povo o seu povo, se passaram 40 anos. Décadas marcadas por muito trabalho, dedicação e conquistas.

Desafios que começaram logo de cara quando uma enchente destruiu centenas de casas, desabrigou milhares e colocou de cabeça para baixo aquilo que era resultado de anos de esforço.

Aquelas pessoas tão machucadas pela seca tinham conquistas, como a construção de uma relação de confiança entre o povo cansado de promessas políticas e o imigrante alemão cheio de vontade de ajudar.

O projeto

A AMARE fica no município de Esperantina e foi criada para atender crianças e jovens moradores de rua desamparados e sem o apoio familiar, que o João Alemão também não teve.

Hoje, são oferecidas diversas oficinas como: cortes de cabelo; computação, e várias outras.

Além de contar com educadores, músicos e facilitadores, com profissionais de pedagogia, psicologia, assistência social, o AMARE tem também voluntários de psicopedagogia, odontologia e oftalmologia, que acompanham crianças e familiares e ajudam na construção de uma comunidade mais justa e capaz de formar adultos mais sensíveis e completos.

“Meu grande sonho é que a AMARE seja cada dia melhor para as pessoas locais e ajude os jovens a encontrarem algo por que valha a pena viver. Nossa juventude precisa disso! Nosso lema aqui é “educar para encantar para a vida!”, disse João Alemão.

Empatia

Muito se fala sobre empatia e de se colocar no lugar do outro, mas a verdade é que mesmo que você se esforce muito para desenvolver essa capacidade, a plenitude dela só vem acompanhada de memórias.

“Sentir o que o outro sente é nobre, é necessário e gera resultados no desenvolvimento da humanidade que são inegáveis, mas a real é que, só se sente o que outro sente, quando já se passou o que ele passa”, lembram os Caçadores de Bons Exemplos.

Projeto AMARE - Foto: divulgação
Projeto AMARE – Foto: divulgação

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa – em parceria com Caçadores de Bons Exemplos