Após ter pais presos, menino de 13 anos vira apicultor de sucesso

Keith Griffith as abelhas e o mel - Fotos: reprodução / Instagram
Keith Griffith as abelhas e o mel - Fotos: reprodução / Instagram

Um garoto de 13 anos, que poderia ter ido para o fundo do poço depois que os pais foram presos, encontrou forças para se superar e hoje, com a ajuda de um tio, virou empreendedor.

Keith Griffith transformou seu amor pelas abelhas em um negócio próspero: virou um apicultor de sucesso em Kentucky, nos Estados Unidos, onde seu nome já começa a ser conhecido.

“As abelhas tiraram minha mente do que estava acontecendo e realmente comecei a gostar e também comecei a aprender muito” disse o adolescente ao jornal de TV Good Morning America.

O negócio próspero de Keith lhe rendeu a admiração de milhares de pessoas.

A empresa dele ganhou o nome de Beeing2gether – Estar Junto em tradução livre – e já vendeu muitos produtos em vários estabelecimentos e também via internet, por meio do site.

O menino disse que o dinheiro que está conseguindo será usado para pagar um bom colégio.

A história

Tudo começou quando os pais de Keith foram presos e, infelizmente, ele ficou sozinho e sem cuidados até que um tio pudesse assumir sua criação.

Foi este tio que, apresentou ao menino o mundo das abelhas e os dois passaram muito tempo juntos, compartilhando essa paixão.

Quando os pais dele foram libertados da prisão, os negócios e a vida do menino melhoraram ainda mais.

Eles escreveram juntos um livro sobre a ligação entre a apicultura e a saúde mental.

“Comecei a escrever e meus pais me ajudaram. O livro é sobre apicultura, dicas sobre apicultura, o que você pode fazer no início e diferentes espécies de abelhas. As abelhas são uma parte muito importante do nosso planeta, portanto, seu trabalho, valorização e cultivo é um benefício para todos”, inclusive para o pequeno Keith e a família dele.

O motivo da prisão dos pais não foi revelado na reportagem da agência internacional.

Keith Griffith e as abelhas - Foto: Instagram
Keith Griffith e as abelhas – Foto: Instagram

Com informações de UPSOCL