Fome: avó que dividia um ovo para três crianças recebe ajuda no Rio

3634
Dona Sônia recebe ajuda contra fome - Foto: Aline Massuca / Metrópoles
Dona Sônia recebe ajuda contra fome - Foto: Aline Massuca / Metrópoles

Gente, a fome está severa no Brasil! Veja o caso dessa avó, do Rio de Janeiro. Ela dividia um ovo para alimentar três crianças… “É um ovo pra 3, e fico com fome”, contou dona Sônia Silva, de 63 anos.

O drama, de cortar o coração sensibilizou várias pessoas e depois que a história da idosa foi divulgada pelo Metrópoles, a ajuda felizmente começou a chegar.

Rapidamente, Dona Sônia recebeu doações de leitores e uma cesta básica da ONG Rio da Paz, para garantir os próximos dias de almoço e jantar da família, de forma emergencial.

Mas ainda falta muito para a família ter uma vida digna.

Sozinha

Dona Sonia é pernambucana e mora no Morro da Providência, no Centro do Rio, a primeira favela carioca.

A pandemia agravou os dias de incerteza da idosa, que perdeu o emprego de diarista e é responsável pelos três netinhos que vivem com ela.

“E, nessa pandemia, quem tem pouco não vai dar pra alguém. Durmo sem saber se vou ou o que vou comer no dia seguinte”, disse.

“Hoje, sigo desempregada, desde antes da pandemia, por conta de uma hérnia de disco, o que agravou a situação (financeira) da casa, que já era ruim desde a morte do meu marido num acidente de trânsito”

Ajuda

“A minha vida sempre foi de perdas. Perdi muita coisa. Família, marido e filhos… Aqui é muito problema, mas vamos levando. Sempre com a ajuda uns dos outros”, agradeceu.

Dona Sonia recebe doações de igrejas e de vizinhos, para complementar o que obtém por meio do Bolsa Família.

“Mas (o valor) foi reduzido. Recebia R$ 289, e hoje caiu para R$ 190. Com os R$ 200 que consigo das doações das igrejas, passo o mês com R$ 390. Preciso comprar comida, gás e remédios que não têm mais nos postos de saúde. E o governo não ajuda. Pra ajudar os pobres, eles tiram dos pobres. Quer dizer, a vida piorou muito”, afirmou.

Solidariedade

Reproduzimos a história aqui no Só Notícia Boa pra lembrar que, o que parece pouco pra gente, é muito para pessoas como a dona Sonia, nesses tempos de desemprego alto e pandemia.

Lembre de levar algum alimento no carro quando sair. Um pacote de biscoito, que seja. A fome que a gente sente perto da hora do almoço, ou perto da hora do jantar, nem se compara à dor que essas pessoas sentem por se alimentarem, às vezes, apenas uma vez por dia…

Solidariedade e empatia já!

Dona Sonia e um dos netos - Foto: Aline Massuca / Metrópoles
Dona Sonia e um dos netos – Foto: Aline Massuca / Metrópoles
Dona Sonia, 63 anos - Foto: Aline Massuca / Metrópoles
Dona Sonia, 63 anos – Foto: Aline Massuca / Metrópoles

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do Só Notícia Boa – com informações do Metrópoles