Vacina Novavax anuncia eficácia de 93,2% contra variantes

1946
Participante do estudo é vacinada no Texas Foto: Novavax
Participante do estudo é vacinada no Texas Foto: Novavax

A empresa Novavax, anunciou nesta segunda, 14, resultados de um ensaio clínico que mostra 90,4% de eficácia geral de sua vacina contra infecções sintomáticas por COVID-19 e 100% de proteção contra doenças moderadas e graves.

O estudo foi feito com 30.000 pessoas nos EUA e México e publicado na revista científica Science.

A vacina, que usa uma tecnologia diferente das vacinas COVID-19 autorizadas até agora, apresentou resultado contra oito variantes virais de interesse e preocupação, com eficácia de 93,2%. E o estudo diz que a vacina é segura e bem tolerada.

“Esta vacina parece fenomenal. Estou entusiasmada com esses resultados ”, disse Monica Gandhi, médica infectologista e epidemiologista da Universidade da Califórnia, em San Francisco.

A eficácia

A diferença de alguns pontos percentuais entre a eficácia de 90% da Novavax e a eficácia de 95% e 94% das vacinas Pfizer / BioNTech e Moderna é explicada em parte pelo ensaio posterior da Novavax, que testou a vacina contra variantes virais, diz John Moore, um imunologista da Weill Cornell Medicine e participante do estudo Novavax.

Os testes das vacinas de outras empresas , compostas de RNA mensageiro (mRNA ), foram concluídos antes que tais variantes estivessem amplamente circulando.

“Esta é uma vacina cuja eficácia é pelo menos equivalente à da Pfizer e Moderna”, disse Moore. “É essencialmente 100% protetor contra doenças.”

Estudo clínico

O ensaio clínico foi altamente diversificado, com 44% de participantes não brancos.

E os requisitos simples para armazenamento da vacina poderiam acelerar o acesso a ela em comunidades remotas ao redor do globo.

FDA

A Novavax planeja solicitar à Food and Drug Administration (FDA) – agência de medicamentos e alimentos dos EUA – e outros reguladores, uma autorização de uso de emergência no terceiro trimestre.

A empresa deve ainda concluir os requisitos regulatórios para garantir que seu produto corresponda consistentemente à vacina usada nos testes clínicos, disse o presidente e CEO Stanley Erck.

Com informações da Science