Hospital no Brasil ‘zera’ internações por Covid-19

3191
O hospital municipal de Maranguape (CE), zerou leitos com pacientes internados por covid-19 - Foto: Paulo Sérgio/Prefeitura de Maranguape
O hospital municipal de Maranguape (CE), zerou leitos com pacientes internados por covid-19 - Foto: Paulo Sérgio/Prefeitura de Maranguape

Na manhã da última quarta-feira (30), o último paciente internado com Covid-19, no Hospital Dr. Argeu Gurgel Braga Herbster, em Maranguape, Ceará, recebeu alta.

A equipe comemora a evolução dos casos, que tinham uma média de 50 pacientes por dia. Segundo a diretora da unidade os poucos que surgiram na última semana eram leves e puderam tratar a infecção em casa.

A equipe do hospital de Maranguape vem registrando uma baixa desde maio e torce para que outros hospitais também zerem os leitos com infectados pela covid.

Baixa demanda

De acordo com Jaqueline Herbster, diretora do hospital, em maio houve registros “passamos uns dez dias mantendo quatro pacientes internados com Covid-19 na UTI do hospital, o que foi regredindo à maneira que eles recebiam alta. E não tivemos mais nenhuma admissão”.

Em vídeo divulgado pela prefeitura de Maranguape, a gestão do hospital municipal destaca a luta dos profissionais da saúde locais para garantir a alta dos pacientes infectados pelo coronavírus.

“Sofremos as mesmas dores da saudade dos nossos familiares, mas sem nunca desistir de nenhum paciente. Comemoramos cada recuperação para que nunca pudéssemos esquecer que a melhor recompensa de tanto sacrifício é e sempre será a vida”.

Desafio

Jaqueline disse que assumiu a gestão do hospital em janeiro deste ano, já com quase um ano de pandemia.

No entanto, ela precisou enfrentar um grande desafio: a segunda onda do vírus, que atingiu o estado após as festas do final de ano.

Isso porque, segundo ela, todos os municípios do interior colapsaram ao mesmo tempo, o que dificultou a transferência de pacientes para tratamento na Capital.

Evite a terceira onda

Mesmo com a redução de casos e o avanço para o fim da pandemia, a profissional de saúde ainda pede para a população se cuidar.

“A gente só pede que as pessoas mantenham o distanciamento [social] e as medidas cabíveis pra que a terceira onda não exista. […] Mas, se acontecer, estamos preparados”.

Com informações de Diário do Nordeste