Tucano ganha bico em 3D após sofrer ataque de onça

1577
Tucano ganha bico de resina, impresso em 3D, após ataque de onça - Foto: reprodução
Tucano ganha bico de resina, impresso em 3D, após ataque de onça - Foto: reprodução

Médicos veterinários de Jundiaí, em São Paulo, se uniram para dar a um tucano uma nova chance. A ave, que havia perdido o bico durante o ataque de uma onça, ganhou um “implante” em 3D.

A equipe produziu o novo bico em resina e a peça levou aproximadamente dois meses para ficar pronta. E o tucano, batizado de Miguel, parece que amou o presente!

A ideia partiu da doutora Anna Beatriz Nicolau Rocha, que ficou comovida com a situação do animal. Assim, ela decidiu estudar sobre o novo tipo de implante que desse mais qualidade de vida ao Miguel. Todo o processo envolveu uma equipe de 15 profissionais.

Primeiro caso

Anna se orgulha muito da equipe. Esse foi o primeiro caso de implante 3D em tucano da equipe e a peça foi produzida em tempo recorde.

“O Miguel deu entrada em Franco da Rocha sem a parte do bico e com outra parte comprometida. O dono do tucano doou pra gente, pois dizia não conseguir arcar com os custos para mantê-lo. Nós já tínhamos visto alguns relatos de implantes feitos em impressoras 3D, mas percebemos que estavam todas fadadas ao fracasso por conta da baixa durabilidade”, conta a veterinária.

De acordo com a doutora, esse implante garante ao tucano a mesma qualidade de vida anterior ao incidente com a onça.

Anna explica que a resina utilizada no novo bico é a mesma aplicada por dentistas. A peça ficou anatômica, leve e o peso total não passou de 30 gramas. Isso garantiu sustentação e funcionalidade, além de distribuição da mordida do tucano.

“A prótese produzida é maciça e não oca. Como o bico do tucano é aerado, a prótese segue esta anatomia. Ele [Miguel] foi o primeiro tucano a usar o pino intramedular com a resina fotopolimerizadora. Existem aproximadamente três tucanos no mundo com próteses feitas em impressoras 3D, mas utilizam uma resina acrílica normal e que não dura muito tempo”, conta Anna.

Nova chance

Segundo Anna Beatriz, com o novo bico implantado e cicatrizado, a qualidade de vida de Miguel melhorou. A ave consegue agora se alimentar bem e se tornou até mais sociável e amoroso.

“O Miguel era nervoso também, super assustado e não deixava ninguém chegar perto dele que já gritava. Hoje é brincalhão e até dorme junto”, finaliza. No entanto, ainda não há uma data prevista para quando ele poderá retornar para a natureza.

Implante sendo aplicado em Miguel - Foto: reprodução
Implante sendo aplicado em Miguel – Foto: reprodução
Processo envolveu 15 médicos - Foto: reprodução
Processo envolveu 15 médicos – Foto: reprodução

Com informações de Tribuna de Jundiaí