Única brasileira da Olimpíada Internacional de Informática passa no MIT aos 17 anos

-
Por Jéssica Souza
Compartilhar
Imagem de capa para Única brasileira da Olimpíada Internacional de Informática passa no MIT aos 17 anos
Ela começou em competições de informática aos 11 anos e agora passou no MIT, nos EUA - Fotos: Colégio Etapa

A estudante de 17 anos, Carolina Moura Valle Costa, de São Paulo (SP) – a única mulher brasileira que já participou da Olimpíada Internacional de Informática – foi aprovada no MIT, considerada uma das melhores universidades do mundo.

A disputadíssima universidade Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, é a nova conquista de Carol, que sabe bem o seu valor:

“Ouvi muito, até chegar aqui, que sou batalhadora, porque fui contra a minha natureza e quis estudar exatas. É um machismo sutil. Em grupos [com homens], sinto que sempre preciso provar mais meu valor”, afirma.

Colecionadora de prêmios

Carolina Moura está no 3º ano do ensino médio

Mesmo tão jovem, ela ganhou medalha de bronze nas edições de 2020 e 2021 na Olimpíada Internacional de Informática. Para ter uma ideia, desde 1999, todos os convocados para a competição eram homens e Carol quebrou esse tabu.

Ela também tem uma medalha de ouro na Olimpíada Europeia de Informática para Garotas (EGOI); dois ouros na Olimpíada Ibero-Americana de Informática; 3 ouros e 2 pratas na Olimpíada Brasileira de Informática (OBI) e um bronze na Olimpíada Europeia de Matemática para Garotas (EGMO).

Carol começou em competições desse tipo aos 11 anos e conta que, a princípio, os resultados não eram tão bons.

“No começo meus resultados não eram muito bons, até porque eu não sabia quanta dedicação era necessária, ou os métodos apropriados para estudar. Com o tempo, peguei o jeito”, contou a jovem.

Projeto social para incentivar outras meninas

E para levar mais garotas às Olimpíadas, Carol tem um projeto social para incentivar outras meninas.

“Preparo um material para ensinar a base da programação para elas. Já conseguimos resultados muito legais, como o de uma aluna que foi para a Olimpíada Europeia de Informática e ganhou uma medalha de prata”, revelou.

Que demais!

Com informações de RondôniaDinâmica e  Gov.br