Bebê de baleia-jubarte nasce no Rio de Janeiro; primeiro da temporada

-
Por Vitor Guerra
Imagem de capa para Bebê de baleia-jubarte nasce no Rio de Janeiro; primeiro da temporada
A pesquisadora olha o nascimento do bebê-baleia, no Rio de Janeiro. Foi o primeiro da temporada. - Foto: Renan Areias.

O Rio de Janeiro registrou o nascimento de um bebê baleia-jubarte. Foi o primeiro em águas cariocas da temporada!

A notícia boa alegrou os pesquisadores do Projeto Baleia Jubarte, que acompanharam tudo de perto e disseram que esse tipo de nascimento é raro na região.

“Foi muito inesperado, a gente sempre fica numa expectativa grande de quando veremos o primeiro filhote da temporada. Aí, hoje, aconteceu! É um filhote bem pequeno, bem clarinho, bem característico de um recém nascido. Aqui [no Rio], é muito raro ver isso. Mas isso indica que o Rio de Janeiro tem boas condições para ter o nascimento dos filhote”, explicou a bióloga e pesquisadora, Bianca Righi, de 31 anos.

Bebê Bossa Nova

E os pesquisadores que estavam a bordo da embarcação, disseram que o momento foi mágico.

O nascimento foi registrado na última sexta-feira (05) e o bebêzinho recebeu um nome muito especial: Bossa Nova! Mais carioca impossível, não é?

Há somente o registro de um outro filhote nascido no Rio, no ano passado.

Segundo Bianca, apesar do ambiente carioca ser muito diferente do banco dos Abrolhos, o nascimento pode indicar algo mais.

“Se os filhotes estão nascendo aqui, então a gente pode dizer que é uma área de reprodução também”, afirmou.

Leia mais notícia boa

Águas quentinhas

As baleias vêm da Antártica e rumam ao Nordeste do Brasil em busca de águas mais quentinhas. Nessas condições, os animais encontram o ambiente perfeito para se reproduzirem e terem seus filhotes.

Nascer em águas térmicas é muito importante para os pequenos, uma vez que eles precisam de temperaturas elevadas para conseguir sobreviver.

É durante junho e agosto que as jubartes são vistas no Rio de Janeiro, no momento do deslocamento.

Projeto para preservação

Caçadas no país desde 1602, as baleias chegaram a quase se tornar um grupo próximo à extinção.

Mas em 1987, uma lei federal proibiu a captura e o molestamento internacional de toda espécie de cetáceo em águas jurisdicionais brasileiras. Aí começava a conservação da espécie por aqui.

Hoje, estima-se que há em torno de 30 mil animais no Brasil e o número é muito comemorado por Enrico Marcovaldi, de 61 anos e diretor do Projeto Baleia Jubarte.

Em 1988, ele descobriu uma pequena população de baleias-jubarte no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos.

“Na época, isso foi uma descoberta muito rara, porque as baleias-jubarte estavam praticamente extintas. A partir disso, criamos o projeto dentro do Parque Marinho dos Abrolhos. Nossa primeira estimativa populacional foi no princípio da década de 90, eram de 2 mil. Agora, o último senso que a gente fez, são mais de 30 mil baleias. Provando que a população se recuperou de verdade, ocupando antigas áreas de reprodução”, finalizou em entrevista ao O Dia.

Que notícia boa!

As baleias passam por águas cariocas em direção ao Nordeste, onde se reproduzem e se acasalam. Foto: Renan Areias.

As baleias passam por águas cariocas em direção ao Nordeste, onde se reproduzem e se acasalam. Foto: Renan Areias.

A caça as baleias foi proibida no Brasil em 1987. Foto: Renan Areias.

A caça as baleias foi proibida no Brasil em 1987. Foto: Renan Areias.

Segundo Bianca, que estava a bordo da embarcação e viu o nascimento do filhote, o momento foi mágico. Foto: Renan Areias.

Segundo Bianca, que estava a bordo da embarcação e viu o nascimento do filhote, o momento foi mágico. Foto: Renan Areias.