Dia Mundial da Felicidade: 20 de março

1074
Foto: reprodução/HuffPost
Foto: reprodução/HuffPost

O Outono chegou! Com ele, o Dia Mundial da Felicidade. Porém ele é mais do que um dia para desejar felicidade a quem você ama!

O dia 20 de março é comemorado pela ONU anualmente desde 2012 para tentar melhorar o planeta.

A data traz relatórios que “mostram que a felicidade e o bem-estar são indicadores de desenvolvimento humano”.
“Muitos governos, comunidades e organizações estão recorrendo a estes dados para implementarem políticas que promovam uma vida melhor”, diz o documento.

Assim, torna-se evidente que sol e comida boa ajudam ao bem-estar mas não são suficientes para deixar as pessoas felizes.

Na área da felicidade estão fatores como o Produto Interno Bruto per capita e a coesão social.

O relatório contou com a colaboração de especialistas de várias áreas – economia, psicologia, análise estatística, saúde, políticas públicas, entre outras – para mostrar como a avaliação do bem-estar pode ser usada para medir o progresso das nações.

A intenção é que os países “passem a integrar o critério ‘felicidade’ como um fator para levar em conta nas políticas governamentais”, explicam.

Este ano, para comemorar a data antecipadamente foi lançado o ranking dos países mais felizes do mundo, que o SóNotíciaBoa divulgou na última quarta-feira, 16. Releia aqui. Dinamarca, Suíça, Islândia, Noruega e Finlândia apareceram este ano nas primeiras posições.

Como

Para fazer estes relatórios, a equipe do World Happiness Report entrevista, anualmente, cerca de 1.000 pessoas em cada país, que são submetidas a um questionário sobre diversos aspetos relacionados com a felicidade. As respostas podem variar entre o 0 (mau) e o 10 (excelente).

O relatório de 2016 apresenta um apanhado dos dados recolhidos entre 2013-2015.

Nesta análise é possível perceber que a maior parte dos países da Europa de Leste, bem como alguns países asiáticos – China e Tailândia – estão muito mais felizes agora do que estavam há cerca de 10 anos.

Ao contrário de países como Brasil, Portugal ou a Grécia que registram descidas, possivelmente relacionadas com a crise econômica e o redução da qualidade de vida.

Com informações do BoasNoticias