Alunos criam detergente natural que mata larvas do mosquito da Zika

-
Por Só Notícia Boa
Compartilhar
Imagem de capa para Alunos criam detergente natural que mata larvas do mosquito da Zika

Estudantes da USP de Lorena, no interior de São Paulo, criaram um detergente a partir do bagaço da cana de açúcar, capaz de matar em 48 horas larvas do mosquito Aedes Aegypti- causador de dengue, zika e chicungunya.

Quando entra em contato com as larvas do mosquito, o detergente  é capaz de desfazê-las.

O produto foi patenteado e aguarda o investimento de empresas para entrar no mercado.

O inseticida foi finalizado em fevereiro deste ano, mas sua descoberta aconteceu em 2012.

Segundo o aluno Paulo Franco, doutorando em biomedicina e um dos responsáveis pelo projeto, a pesquisa pretendia criar um inseticida que não atingisse o meio ambiente, ou os animais durante o uso e também na produção.

O detergente

O produto foi desenvolvido com micro-organismos que são cultivados com o bagaço da cana de açúcar.

Em contato com a água, o produto reduz a tensão da superfície, o que desestabiliza as larvas – fazendo com que elas afundem. Além disso, as larvas se desfazem em até 48 horas.

“O detergente em água faz com que reduza a tensão superficial, então tudo que tem nessa superfície ela afunda [o mosquito se desenvolve na superfície]. O produto não deixa que a larva chegue até a fase de mosquito, que pode transmitir a dengue”, explicou Paulo.

A pesquisa é supervisionada pelo professor Doutor Silvio Silvério da Silva.

A eficácia do produto já foi comprovada, segundo o pesquisador e o trabalho rendeu ao doutorando a seleção para a final do prêmio Idea to Product, organizado pela Universidade do Texas.

Segundo Franco, desde o ano passado o inseticida está disponível para laboratórios.

“Dependemos que alguém compre a nossa ideia para poder chegar ao resultado, que é minimizar os impactos da dengue. A questão maior é que a doença atinge países de clima quente e, em maioria, está presente em lugares subdesenvolvidos, o que limita o mercado. Mas ainda temos esperança”, disse.

Com informações do G1