Museu de primeiro mundo na Argentina é gratuito e surpreendente

1393
Foto: divulgação / CCK||
Foto: divulgação / CCK||

Por Cesar Seabra, especial para o SóNotíciaBoa.

Não é novidade para ninguém que a Argentina vive uma profunda crise – econômica, social, ética… E a pobreza pode ser vista nas ruas da capital do nosso vizinho.

Mas, no Carnaval, uma descoberta me fez gostar ainda mais de Buenos Aires. Trata-se do impecável e surpreendente Centro Cultural Kirchner, carinhosamente conhecido como CCK.

Polêmico, o CCK custou uma fortuna. Foi inaugurado em maio de 2015, no ocaso do Governo Cristina Kirchner. E leva o nome do falecido marido dela, o também ex-presidente Nestor Kirchner.

O CCK funciona no prédio que foi sede dos correios argentinos entre 1928 e 2013, no Centro de Buenos Aires.

E querem saber? O lugar é incrível, espetacular. Perdoem-me o complexo de vira-latas latino-americano, mas o CCK é coisa de primeiro mundo.

Para começar, tudo é gratuito. Os funcionários são gentis, bem preparados, de uma educação exemplar.

Uma belíssima exposição permanente, exposições temporárias (como a do multiartista Brian Eno) e uma maravilhosa sala de concertos, chamada de a Baleia Azul, com capacidade para 1.800 pessoas. (foto abaixo)

Fomos terça-feira de Carnaval cedo, conhecer o local, dica de uma amável senhora argentina.

Nos encantamos e voltamos no começo da noite para ver o show de Mora Godoy, a maior bailarina argentina de tango hoje em dia.

E assim, festa total, pudemos entrar na barriga da Baleia Azul. Inesquecível.

Panorâmica La Ballena Azul - Foto: divulgação
Panorâmica La Ballena Azul – Foto: divulgação

E tudo isso, repito, gratuito.

Fica, pois, a singela dica.

CCK, Buenos Aires, www.culturalkirchner.gob.ar.

Pode-se ver toda a programação por este site ou enfrentar a organizada fila no dia do espetáculo, a partir das 18h30.

Vale muito a pena.

CCK - Foto: divulgação
CCK – Foto: divulgação

Da redação do SóNotíciaBoa.