Escola da Apple: termina hoje inscrição para cursos gratuitos

1167
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

A Apple quer formar sua própria geração de jovens desenvolvedores, por isso abriu no ano passado uma escola em Nápoles, na Itália, totalmente gratuita.

Lá os estudantes passam um ano aprendendo a ser desenvolvedores, codificadores, criadores de apps e empreendedores de startups.

A novidade é que as inscrições para as vagas do próximo ano letivo da Developer Academy terminam nesta quarta-feira, 31.

Elas são oferecidas a alunos do mundo inteiro, por meio de concurso e provas que serão aplicadas no mês que vem em Munique, Paris, Londres, Madri, Roma e Nápoles.

O curso gratuito é ensinado em inglês.

A próxima turma terá 400 alunos (o dobro da turma do ano passado), provavelmente de 18 a 30 anos de idade, e começará as aulas em outubro, no campus da universidade italiana Federico II.

“O programa vai focar em desenvolvimento de software, criação de startups e projetos de apps para (sistema) iOS, com ênfase em criatividade e colaboração para empoderar e preparar estudantes no desenvolvimento de habilidades que eles precisam para ser bem-sucedidos”, diz o programa do curso.

Investimento

Para uma empresa como a Apple, um investimento tão direto em educação tem tanto a ver com ação social quanto com interesse próprio – de preparar mão de obra própria e habilidosa.

Em menos de uma década, aplicativos digitais se tornaram uma das mais importantes fontes de receita da Apple.

A empresa calcula haver hoje 2 milhões de apps em sua loja online – e isso, apenas na Europa, sustenta em torno de 1,2 milhão de empregos.

A Developer Academy é também a resposta de empresas tecnológicas a um problema global: o temor de que não haja gente suficientemente capacitada para ocupar futuros empregos ligados à criatividade e à tecnologia.

Falta de mão de obra qualificada

Teme-se um grande abismo entre oferta e demanda: empregadores não conseguiriam preencher suas vagas hiperqualificadas ao mesmo tempo em que milhões de funcionários ficariam à deriva, sem emprego, por não terem as habilidades necessárias para o mercado.

Só no Reino Unido, as câmaras britânicas de comércio queixaram-se recentemente de que três em cada quatro empresas do país sofrem de uma “escassez de habilidades digitais”.

Um exemplo recente disso foi o ataque cibernético – um “ransomware” – que afetou sistemas de informática em centenas de países, evidenciando uma escassez de profissionais especializados em segurança digital.

Inscrições

Para se inscrever para uma vaga no curso da Apple clique aqui.

Com informações da BBC