Vitiligo: terapia inovadora dos EUA recupera cor da pele

4848
Paciente com vitiligo no início do tratamento experimental (esquerda)
Paciente com vitiligo no início do tratamento experimental (esquerda)

Dermatologistas das Universidades de Yale e Massachusetts-Worcester, nos EUA, desenvolveram uma terapia que consegue restaurar a cor da pele em pacientes com vitiligo.

A terapia inovadora, que combina um remédio para artrite e luz, conseguiu resultados impressionantes.

O vitiligo é uma doença não contagiosa, autoimune e crônica que destrói o pigmento da pele e deixa manchas brancas no corpo.

O remédio

Depois de fazer testes em pequena escala nas mãos e braços de pacientes, a equipe testou a técnica em dois pacientes com perda significativa de cor da pele por todo o corpo. Para eles, tratamento padrão, como cremes esteroides e tratamentos com luz, não conseguiram restaurar a pigmentação.

Os resultados comprovaram que o medicamento facitinib – normalmente usado contra artrite – impede que o sistema imunológico ataque as células da pele que fabricam o pigmento melanina.

Já a luz ultravioleta B de banda estreita estimula as células produtoras do pigmento a restaurar a cor da pele.

Resultados

Após alguns meses de terapia combinada, houve uma melhoria notável: uma paciente apresentou uma restauração quase total da cor da pele no rosto, pescoço, peito, antebraços e canelas.

O outro paciente experimentou um sucesso apenas ligeiramente menor.

A técnica foi desenvolvida pelas equipes dos professores Brett King (Universidade de Yale) e John Harris (Universidade de Massachusetts-Worcester).

Ainda são necessários mais testes, mas a avaliação inicial já traz uma esperança real para o tratamento definitivo desta e de outras condições cutâneas estigmatizantes.

“Estes resultados irão definir o tratamento do vitiligo no futuro,” disse o Dr. King.

Cuba também faz um tratamento desde 2015, como mostramos no SóNotíciaBoa. Releia aqui

Com informações do Diário da Saúde