Foto de resistência de alunos de Odonto no Dia da Consciência Negra

1388
Protesto de alunos da UFJF - Foto: Gustavo Maximiano
Protesto de alunos da UFJF - Foto: Gustavo Maximiano

No Dia Da Consciência Negra, alunos de odontologia da UFJF, Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais, fizeram esta foto representativa das pessoas negras/afrodescendentes que fazem o curso – semelhante à foto dos formandos negros da UFRB, na Bahia.

“A presença dessas 22 pessoas é revolucionária e necessária! É fundamental frisar o quão importante é a figura de um cirurgião-dentista negro ocupando novos espaços e construindo novas narrativas”.

O protesto em forma de resistência, postado no perfil do Diretório Acadêmico da Universidade no Instagram, mostra que dos 400 alunos do curso, apenas 22 são negros.

A autora do texto, a aluna Grazielle Christina Oliveira, de 20 anos, disse em entrevista ao SóNotíciaBoa que, apesar de poucos, os alunos negros de Odonto estão fazendo história.

“Este é um momento histórico e tal união e mobilização dos alunos, é de grande representatividade”, afirmou.

A jovem, filha de pai gerente e mãe dona de casa, está no 5º período de Odonto na UFJF.

Inspiração

Grazielle diz que ter mais negros no mercado de trabalho pode inspirar outras pessoas.

“Quando uma criança negra entrar no consultório de alguém da foto, irá se deparar com um profissional negro e enxergará a semelhança. “A tia (o) é igual a mim, tem o cabelo igual o meu, a pele igual a minha… se ela conseguiu eu também posso ser dentista, médica, engenheira, o que eu quiser!”, escreveu.

Mas ela questiona a quantidade de negros no curso.

“A foto fala por si… existe algo errado. Ainda vivemos uma falsa democracia racial, onde muito se fala “somos todos iguais!”. Na prática ainda existem lugares em que não iremos encontrar negros e lugares que sabemos que esses são a maioria”, afirma.

E Grazielle fez um apelo à resistência:

“Estamos fazendo história. Nunca desistam de estar aqui e ocupar novos lugares. Precisamos estar em mais lugares. Precisamos de professores negros, palestrantes negros e mais acadêmicos negros. O futuro tem urgência de nós”, concluiu.


View this post on Instagram

20 DE NOVEMBRO – DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA . “Nessa foto há 22 pessoas negras/afrodescendentes, do total de mais de 400 alunos. A foto fala por si… existe algo errado. Ainda vivemos uma falsa democracia racial, onde muito se fala “somos todos iguais!”. Na prática ainda existem lugares em que não iremos encontrar negros e lugares que sabemos que esses são a maioria. E, se ainda existem lugares destinados a pretos e brancos, o Apartheid ainda não acabou. É frustrante perceber que na foto deveriam ter mais pessoas. Especificamente, aqueles que sonharam em estar em um curso superior, se prepararam e tiveram seu ingresso fraudado. Com isso, quero que você, leitor, pense sobre as seguintes perguntas: “Onde essas pessoas que, por conta disso, não entraram na faculdade estão?”, “Será que essas pessoas estão estudando mais um ano para entrar na faculdade?”. A resposta para elas é: NÃO! A maioria delas está trabalhando e “perdeu” a oportunidade de mudar a sua vida e de toda sua futura geração. Mais do que vagas, são sonhos e histórias de superação que não se concretizam. A presença dessas 22 pessoas é revolucionária e necessária! É fundamental frisar o quão importante é a figura de um cirurgião-dentista negro ocupando novos espaços e construindo novas narrativas. O nosso povo nunca fugiu da luta, sempre abraçou os deveres. A representatividade tem um forte poder de impacto e influência na vida de pessoas que estão iniciando a jornada. Quando uma criança negra entrar no consultório de alguém da foto, irá se deparar com um profissional negro e enxergará a semelhança. “A tia (o) é igual a mim, tem o cabelo igual o meu, a pele igual a minha… se ela conseguiu eu também posso ser dentista, médica, engenheira, o que eu quiser!”. Estamos fazendo história. Nunca desistam de estar aqui e ocupar novos lugares. Precisamos estar em mais lugares. Precisamos de professores negros, palestrantes negros e mais acadêmicos negros. O futuro tem urgência de nós. “ (Texto por: Grazielle Cristhina B. Oliveira) – CONTINUA NOS COMENTÁRIOS-

A post shared by D. A. Ottoni Tristão (@daotristao) on

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube