Ouvir música que ama arrepia e leva sobrecarga de prazer ao cérebro

Foto: reprodução Daily Mail
Foto: reprodução Daily Mail

Pesquisadores da França descobriram que ouvir a música que você ama pode realmente causar arrepios e enviar ao seu cérebro a uma ‘sobrecarga de prazer’.

A equipe encontrou uma liberação do hormônio do prazer, a dopamina, em áreas do cérebro responsáveis ​​pela emoção, movimento e processamento de som, nas pessoas que ouviam suas músicas prediletas.

Então já sabe o que fazer quando você estiver triste, pra baixo… ponha sua música preferida pra mudar o seu astral!

Os resultados do estudo foram publicados na revista Frontiers in Neuroscience .

Estudo

Os cientistas conectaram 18 amantes da música – que relataram sentir calafrios regularmente quando ouviam suas músicas favoritas – a uma máquina de eletroencefalograma (EEG), que registra a atividade elétrica no cérebro.

Eles então tocaram uma série de clipes de 90 segundos com amostras das músicas favoritas de cada participante – e monitoraram o que acontecia em seus cérebros quando eles tinham arrepios.

A equipe detectou atividade elétrica específica no córtex orbitofrontal – região envolvida no processamento emocional, na área motora suplementar, responsável pelo movimento – e no lobo temporal direito, que processa o som.

Prazer ancestral

A razão pela qual as pessoas têm prazer com a música é provavelmente porque nosso cérebro está antecipando o que vem a seguir, disseram os pesquisadores.

Prever eventos futuros teria dado aos nossos ancestrais uma vantagem evolutiva – e, portanto, esse é um ato pelo qual nosso corpo nos recompensa por realizar.

De acordo com especialistas, quase metade das pessoas sente ‘calafrios’ ao ouvir música.

‘O que é mais intrigante é que a música parece não ter nenhum benefício biológico para nós… No entanto, a implicação da dopamina e do sistema de recompensa no processamento do prazer musical sugere uma função ancestral da música”, disse o autor do artigo e neurocientista Thibault Chabin da University Burgundy Franche-Comté, em Besançon.

‘Enquanto esperamos, nossos cérebros estão ocupados prevendo o futuro e liberando dopamina – evolutivamente falando, ser capaz de prever o que acontecerá a seguir é essencial para a sobrevivência’, explicou ele.

Arrepios

Em média, esses arrepios – considerados um período de maior conectividade cortical – duraram pouco menos de 9 segundos.

“O fato de podermos medir esse fenômeno com EEG traz oportunidades de estudo em outros contextos, em cenários mais naturais e dentro de grupos”, comentou Chabin.

‘Isso representa uma boa perspectiva para a pesquisa da emoção musical. Queremos medir como as atividades cerebrais e fisiológicas de vários participantes estão acopladas em ambientes musicais sociais naturais ‘, explicou.

‘O prazer musical é um fenômeno muito interessante que merece ser investigado mais a fundo para entender por que a música é gratificante – e desvendar por que é essencial na vida humana”, concluiu o neurocientista.

Com informações do Daily Mail