Itália instala pavilhões floridos para vacinar contra Covid

1505
Foto: Stefano Boeri
Foto: Stefano Boeri

Centenas de pavilhões de madeira, adornados com um gráfico de flores que simbolizam a regeneração, serão instalados para a vacinação contra a Covid em toda a Itália, a partir de janeiro de 2021.

Os projetos das estações foram revelados nesta segunda-feira, 14,  pelo arquiteto Stefano Boeri. Ele desenvolveu o logotipo e o projeto visual junto com uma equipe de consultores.

A arquitetura foi projetada para “transmitir um símbolo de serenidade e regeneração. Ser vacinado será um ato de responsabilidade cívica, amor ao próximo e redescoberta da vida. Se esse vírus nos prendeu em hospitais e residências, a vacina nos trará de volta ao contato com a vida e com a natureza que nos cerca”. disse Boeri em comunicado.

Boeri é um dos arquitetos mais renomados da Itália, famoso por seu edifício Il Bosco Verticale – ou Floresta Vertical – em toda a fachada repleta de árvores vivas e vegetação.

Trabalho voluntário

Ele trabalhou no projeto de vacinação gratuitamente, disse seu estúdio.

Um total de 1.500 pavilhões circulares temporários serão montados em praças e centros urbanos da Itália.

As estruturas terão interior feito em madeira e tecido.

Vacinação

Mais de 65.000 mortes por coronavírus foram registradas na Itália, de acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins – ultrapassando o Reino Unido para o maior número de mortes na Europa.

A vacinação na Itália será definida de acordo com o calendário da União Europeia em meados de janeiro.

Por meio do bloco, a Itália já garantiu a compra de 202,573 milhões de doses de seis vacinas contra o Sars-CoV-2: AstraZeneca (produtora da vacina de Oxford), Biontech/Pfizer, Curevac, Johnson & Johnson (dona da Janssen), Moderna e Sanofi-GSK.

Esse número é suficiente para imunizar mais que o dobro da população italiana (60,4 milhões de pessoas), levando em conta que foram encomendadas 53,84 milhões de unidades de uma vacina de dose única (Janssen) e 148,733 milhões de unidades de vacinas de dose dupla.

Foto: Stefano Boeri
Foto: Stefano Boeri

Com informações da CNN