Município aprova doação de absorventes nas escolas a meninas carentes

810
O município de Eldorado do Sul vai doar absorventes nas escolas da cidade para meninas carentes - Foto: @ecociclooficial
O município de Eldorado do Sul vai doar absorventes nas escolas da cidade para meninas carentes - Foto: @ecociclooficial

O município de Eldorado do Sul vai doar absorventes nas escolas da cidade para meninas carentes. A lei foi aprovada pela Câmara Municipal e sancionada nesta sexta, 8, pelo prefeito Ernani Gonçalves.

“Nossa iniciativa proporcionará acesso ao absorvente, item básico de higiene”, comemorou o vereador Fabiano Pires, autor da lei, nas redes sociais.

O vereador, que é sargento do Exército e trabalhou como voluntário na ONU, lembrou que o absorvente é um tem de necessidade básica da mulher.

“A pobreza menstrual é uma questão de saúde pública e absorvente uma necessidade básica […] infelizmente 1 em cada 4 jovens não tem acesso”, lembrou Fabiano.

Com a distribuição, o município, que fica no Rio Grande do Sul, pretende combater a “pobreza menstrual”.

O vereador lembrou da “falta de recursos para a compra de produtos de higiene e outros itens necessários ao período da menstruação feminina, como absorvente entre outros”.

“Juntos estaremos mudando uma triste realidade”, afirmou.

Pobreza Menstrual

A “pobreza menstrual” foi assunto da semana em todo o Brasil após o presidente Jair Bolsonaro vetar o projeto de leia aprovado em setembro no Senado, que prevê a distribuição gratuita de absorventes femininos para estudantes de baixa renda e mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

Na decisão, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 7, o governo alega que o veto é porque o projeto não estabeleceu uma fonte para custear os absorventes.

Mulheres carentes usam miolo de pão

A professora Yvonne Bezerra de Mello, do instituto Uerê, projeto educativo na Maré, no Rio de Janeiro, lembrou que as famílias pobres não têm dinheiro para comprar absorventes.

“O absorvente custa muito caro. Para quem vive com auxílio de R$ 280, paga R$ 120 em um botijão de gás, como vai comprar absorvente?”, questionou ao G1.

E ela contou há mulheres que usam até miolo de pão para segurar o fluxo.

“Nas ruas (pessoas em situação de rua), usam miolo de pão, pedaços de pano de chão, que têm poder de absorção. É um item de luxo apesar de ser absolutamente necessário”, lembrou.

No estado do Rio de Janeiro, o governador Cláudio Castro sancionou em setembro a lei 9.404/21, que autoriza o Poder Executivo a distribuir gratuitamente absorventes nas escolas estaduais, mas ainda não há prazo para início da distribuição.

Com informações do SNB e G1