Jovem cria anticoncepcional masculino e ganha prêmio

1538
COSO, o anticoncepcional masculino criado por Rebecca Weiss - Foto: divulgação
COSO, o anticoncepcional masculino criado por Rebecca Weiss - Foto: divulgação

Uma jovem da Alemanha criou um anticoncepcional masculino que usa ultrassom para paralisar temporariamente o movimento dos espermatozoides.

Isso interrompe a contracepção, já que eles não chegam a fertilizar os óvulos na relação sexual.

A forma inovadora de contracepção masculina garantiu um prêmio internacional à inventora alemã Rebecca Weiss.

Pela invenção, ela ganhou o prêmio principal do James Dyson Awards, uma competição de design.

Rebecca levou US$ 45 mil – equivalente a cerca de R$ 250 mil.

O prêmio, além do reconhecimento e valor em dinheiro, permite a prospecção de verbas para que o produto deixe a fase de testes e seja comercializado no mercado.

Como funciona

O esquema do anticoncepcional masculino criado por ela é simples: o COSO, como é chamado, usa ultrassom para paralisar temporariamente o movimento dos espermatozoides.

A invenção consiste em um artefato que se assemelha a uma pequena banheira.

O ultrassom é um método é indolor, exige poucos minutos e a sensação é de um banho morno nos testículos.

O contraceptivo interrompe a contracepção, já que os espermatozoides não chegam a fertilizar os óvulos na relação sexual.

O método dura alguns meses e até o momento não foram identificados efeitos colaterais, segundo reportagem publicada pelo site UPI.

A inspiração

Rebecca teve a inspiração para criar o produto após um problema de saúde.

Ela teve câncer no colo do útero e os médicos suspeitam que tenha sido provocado pelo frequente uso de pílulas anticoncepcionais.

“Quando meu companheiro e eu procuramos métodos alternativos [de contracepção], percebemos a falta de métodos para os homens. Esse problema não é só meu, afeta muitas outras mulheres e torna evidente que se discuta publicamente alternativas”, disse Rebecca no projeto apresentado ao Dyson Awards.

Com o prêmio de US$ 45 mil Weiss pretende buscar incentivo para realizar mais testes e futuramente comercializar o contraceptivo masculino, uma alternativa para as mulheres que não podem ou não querem tomar pílula anticoncepcional.

Rebecca com o anticoncepcional masculino que ela criou - Foto: divulgação
Rebecca com o anticoncepcional masculino que ela criou – Foto: divulgação

Com informações da FolhaPE e Capricho