Hospital referência dá alta ao último paciente com covid no Rio

426
Adelino, o último paciente com Covid internado no Hospital Ronaldo Gazolla, recebeu alta - Foto: Ana Branco / Agência O Globo
Adelino, o último paciente com Covid internado no Hospital Ronaldo Gazolla, recebeu alta - Foto: Ana Branco / Agência O Globo

Enquanto a covid volta a crescer e preocupar na Europa, aqui no Brasil, tem alta o último paciente com a doença do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari, referência para tratamento da doença no Rio de Janeiro.

Após três meses internado, Adelino Gomes Silva Filho, de 70 anos, teve alta nesta segunda, 15. Na saída ele foi aplaudido pela equipe do Ronaldo Gazolla, e agradeceu por sair vivo após tanto tempo de internação.

Só este ano, os profissionais da saúde do Ronaldo Gazolla cuidaram de pelo menos 10.800 pessoas contaminadas com o novo coronavirus. Uma mudança drástica já que na última quinta, as enfermarias e UTIs tinham apenas sete internados.

“Dizer que vamos dar alta ao último paciente traz a emoção de ver o quanto o sofrimento foi grande, mas está chegando ao fim. Ao mesmo tempo, traz preocupação, porque sabemos que há pessoas que se recusam a ser imunizadas. E é fundamental que entendam que só a vacina vai nos dar a segurança para manter esse quadro. A vacinação é a única saída para termos tranquilidade daqui para frente e seguirmos nossas vidas” disse ao O Globo o diretor do hospital, Roberto Rangel.

A importância de estar vacinado

Dos sete pacientes com Covid na quinta-feira, ressalta ele, apenas um tinha o esquema vacinal completo, ou seja, a maioria dos internados optou por não tomar a vacina.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, não tem sombra de dúvida de que a vacinação e a adesão dos cariocas à campanha proporcionaram essa volta por cima.

Ele lembra que, em alguns países da Europa, ocorre um novo aumento do número de casos de Covid, justamente naqueles lugares com baixa cobertura vacinal.

Hospital revitalizado

Desde o fim de setembro o hospital faz uma transição para que ponha seus 420 leitos e seu parque tecnológico modernizado a serviço de pacientes com todo tipo de patologia, e não mais apenas para Covid.

O que a pandemia deixa de bom para o hospital é a ampliação na capacidade de atendimento da população

“Os investimentos para enfrentar a pandemia vão deixar um hospital revitalizado. Antes, ele nunca tinha chegado perto de sua capacidade operacional, tendo tido no máximo 240 leitos. Agora, vamos manter o Ronaldo Gazolla com seus atuais 420 leitos, 240 apenas de CTI.

E o quadro de funcionários será mantido, segundo Rangel: será mantida a equipe técnica de 3.500 funcionários.

Ele revela ainda que não haverá uma ala dedicada à Covid-19 no hospital. Se os indicadores da pandemia continuarem evoluindo, os pacientes com o coronavírus que possam chegar ficarão nos leitos de isolamento espalhados pela unidade, destinados também àqueles com outras doenças que precisam de medidas parecidas, como a tuberculose.

Com informações de O Globo