Dieta da longevidade aumenta chance de viver até os 100 anos

-
Por Rinaldo de Oliveira
Compartilhar
Imagem de capa para Dieta da longevidade aumenta chance de viver até os 100 anos
A dieta da longevidade inclui chocolate amargo como parte crucial do plano e nada de carne vermelha - Foto: Philippe Leone / Unsplash

Cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, EUA, publicaram numa revista científica a “dieta da longevidade”, um plano alimentar saudável para que as pessoas possam viver até os 100 anos e evitar doenças da idade.

O curioso da “dieta da longevidade” é que ela inclui chocolate amargo como parte crucial do plano.

Embora dê espaço para se deliciar com ‘algumas’ guloseimas favoritas, a dieta exige que a carne vermelha seja cortada completamente, a processada inclusive. Porém, ‘quantidades muito baixas’ de carne branca podem ser consumidas na dieta. (veja a lista da dieta abaixo)

Ela inclui ainda vegetais, legumes, grãos integrais (nozes, lentilhas, feijão) como parte fundamental de seu plano alimentar, assim como o azeite.

Já o açúcar e grãos refinados – como pão branco, macarrão e cereais – precisam ser reduzidos.

Fazer jejum

A dieta também pede que você faça jejum. Eles recomendam jejuar por pelo menos 12 horas por dia e por cinco dias a cada poucos meses para aqueles com maior risco de doenças da idade.

Os especialistas da Universidade do Sul da Califórnia revisaram centenas de estudos sobre nutrição na última década em sua busca para descobrir a dieta que “oferece a melhor chance de viver por mais tempo e com mais saúde”.

Períodos de jejum aumentam a autofagia – a maneira do corpo de limpar as células danificadas – e a regeneração celular nos tecidos do corpo, disseram os pesquisadores.

Isso leva ao aumento da função metabólica – a taxa na qual o corpo queima calorias.

E pode atrasar a imunossenescência – a função imune natural reduzida que vem com a idade.

“A regulação desta rede pró-longevidade pode retardar o envelhecimento e reduzir os fatores de risco e/ou incidência de doenças relacionadas à idade, incluindo diabetes, câncer, doenças cardiovasculares e neurodegenerativas”, afirma o estudo.

Atrasar o envelhecimento    

Seguir essa dieta pode “atrasar o envelhecimento” e reduzir o risco de desenvolver doenças relacionadas à idade, incluindo diabetes e câncer, disseram os pesquisadores.

O autor principal, Dr. Valter Longo, especialista em envelhecimento e ciências biológicas, argumentou que “não é uma restrição alimentar destinada apenas a causar perda de peso”.

Em vez disso, visa retardar o envelhecimento e ‘ajudar a evitar a morbidade e manter a saúde na idade avançada’.

Uma infinidade de evidências mostra que esses padrões alimentares estimulariam a função celular saudável e evitariam obesidade, diabetes e câncer.

Dr Longo e a professora Rozalyn Anderson, especialista em envelhecimento da Universidade de Wisconsin, publicaram suas descobertas na revista Cell.

Como deve ser a dieta equilibrada

  • Coma pelo menos 5 porções de uma variedade de frutas e vegetais todos os dias. Todas as frutas e legumes frescos, congelados, secos e enlatados contam
  • Baseie as refeições em batatas, pão, arroz, massas ou outros carboidratos ricos em amido, de preferência integrais
  • 30 gramas de fibra por dia: é o mesmo que comer todos os seguintes itens: 5 porções de frutas e legumes, 2 biscoitos de cereais integrais, 2 fatias grossas de pão integral e batata grande assada com casca
  • Tenha algumas alternativas de laticínios (como bebidas de soja) escolhendo opções com baixo teor de gordura e baixo teor de açúcar
  • Coma feijão, leguminosas, peixe, ovos, carne e outras proteínas (incluindo 2 porções de peixe por semana, uma das quais deve ser oleosa)
  • Escolha óleos e pastas insaturados e consuma em pequenas quantidades
  • Beba 6-8 xícaras/copos de água por dia
  • Os adultos devem ter menos de 6g de sal e 20g de gordura saturada para mulheres ou 30g para homens por dia

Dieta mediterrânea

Os pesquisadores observaram que a dieta da longevidade é semelhante às dietas de estilo mediterrâneo – que são em grande parte baseadas em plantas ou pescatarianas.

Estes são seguidos em lugares ‘super-antienvelhecimento’ onde há um ‘alto número’ de pessoas com 100 anos ou mais, como Sardenha na Itália, Okinawa no Japão e Loma Linda na Califórnia, disse a equipe.

No entanto, a dieta da longevidade é uma ‘evolução’ dessas dietas, limitando as horas de alimentação e recomendando o jejum.

A equipe observou que a dieta não pode ser recomendada a todos e deve levar em consideração a idade, o estado de saúde e a genética, pois as pessoas com mais de 65 anos podem precisar de mais proteína “para combater a fragilidade e a perda de massa corporal magra”.

Eles aconselharam as pessoas a conversar com seu médico antes de fazer grandes mudanças na dieta.

Dr Longo acrescentou: “A dieta da longevidade não é uma restrição alimentar destinada apenas a causar perda de peso, mas um estilo de vida focado em retardar o envelhecimento, que pode complementar os cuidados de saúde padrão e, tomado como medida preventiva, ajudará a evitar a morbidade e manter a saúde em estágios avançados’.

Foto: reprodução / Daily Mail

Foto: reprodução / Daily Mail

Com informações do DailyMail e NHS Eatwell Guide