5 países mais felizes ensinam segredos da longevidade

2294
Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Por que alguns povos conseguem viver mais do que os outros? Quais os segredos?

Habitantes dos países que se destacam no Índice Mundial de Felicidade 2017, têm “fontes da juventude” diferentes.

São particularidades para a longevidade que vão desde alimentação e bebidas, até a amigos e exercícios físicos.

A BBC fez um longo levantamento, que resumimos aqui pra você:

Japão: dieta e amigos

Os japoneses vivem em média 83 anos, mas na região de Okinawa – ilhas ao sul chamadas com frequência de “a terra dos imortais” – existem pelo menos 400 pessoas com mais de 100 anos de idade. Muitos atribuem a longevidade à dieta local, que tem muito tofu – uma espécie de queijo feito de leite de soja – batatas e uma pequena quantidade de peixes. O estresse os idosos diminuem nos círculos sociais com amigos.

Espanha: siesta e dieta

A dieta mediterrânea, rica no saudável azeite de oliva, vegetais e vinho, tem contribuído há muito tempo para prolongar a vida dos espanhóis, que têm expectativa de vida de 82,8 anos. Outro segredo para a longevidade: a “siesta”, uma espécie de pausa para descanso depois do almoço. Além disso, a própria configuração das cidades espanholas facilita o exercício. As lojas e os restaurantes tendem a ser mais próximos das casas das pessoas, o que ajuda a optar pela caminhada.

Cingapura: exercício e menos vícios

Com amplo acesso à medicina de alta tecnologia e um sistema de saúde considerado “milagroso”, os habitantes de Cingapura estão vivendo cada vez mais: hoje, a expectativa de vida chega a 83,1 anos. Lá é difícil manter hábitos de vida pouco saudáveis. Cigarros e as bebidas alcoólicas são taxados com impostos muito mais altos que em outros países. Eles têm ambiente urbano acessível e inclusivo, que também contribui para uma vida mais longa, como vários ginásios e parques públicos para exercícios. Recentemente, o país inaugurou seu primeiro parque terapêutico, pensado para reduzir o estresse e melhorar a saúde dos idosos.

Suíça: queijo e bem-estar

Entre homens, nenhum país tem expectativa de vida mais alta que a Suíça, onde vivem em média 81 anos de idade. Sendo um dos países mais ricos da Europa, a Suíça oferece uma rede de saúde de alta qualidade e elevados níveis de segurança, que contribuem para uma sensação de bem-estar. Além disso, alguns estudos colocam o alto consumo de queijo e de leite como um dos fatores determinante para a longevidade no país.

Coreia do Sul: tradições e fermentados

A Coreia do Sul está caminhando para se tornar o primeiro país a ter uma expectativa de vida de 90 anos, de acordo com pesquisas recentes. Os estudos atribuem o feito a uma economia em forte crescimento, um amplo acesso ao sistema de saúde e menos problemas de tensão arterial que nos países do Ocidente. O país também tem uma dieta rica em alimentos fermentados, que ajudam a diminuir o colesterol e a aumentar as defesas imunológicas. “No conjunto, a comida coreana tem um alto conteúdo de fibra e é rica em nutrientes”, diz Camille Hoheb, fundadora da empresa de turismo Wellness Tourism Worldwide.

Quem vive na Coreia do Sul afirma que um dos elementos que contribui para a qualidade de vida é a cultura focada na comunidade. “Os jimjilbang (banheiros públicos com banheiras de hidromassagem, água quente, mesas de massagem e saunas) oferecem a oportunidade para as pessoas se encontrarem, se conhecerem e, assim, reduzirem o estresse”, explica Hohed.

Ela diz, também, que a população da Coreia do Sul tem uma capacidade de se concentrar no presente, “o que é um dos ensinamentos budistas, bem como uma atitude que favorece a cultura de cooperação sobre o individualismo”.

Com informações da BBC