Impressora de pele funciona como rolo de pintura e acelera cicatrização

Foto: Daria PerevezentsevFoto: Daria Perevezentsev

Uma impressora de pele revolucionária, que funciona como um rolo de pintura, libera uma espécie de tinta biológica que pode acelerar o processo de cicatrização

O dispositivo cobre feridas com uma folha uniforme de biomaterial, faixa por faixa.  Ele foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Toronto Engineering e Sunnybrook Hospital, no Canadá.

A bio tinta distribuída pelo rolo é composta por células do estroma mesenquimal (CTMs) – células-tronco que se diferenciam em tipos de células especializadas, dependendo do ambiente.

Nesse caso, o material MSC promove a regeneração da pele e reduz as cicatrizes. Os ensaios in vivo foram bem-sucedidos em feridas de espessura total e foram publicados na revista Biofabrication .

O projeto é liderado por Richard Cheng, sob a supervisão do professor Axel Guenther, e em estreita colaboração com o Dr. Marc Jeschke, diretor do Ross Tilley Burn Center, e sua equipe no Sunnybrook Hospital.

A a equipe é a mesma que lançou o primeiro protótipo da impressora de peles em 2018.

“Anteriormente, provamos que poderíamos depositar células em uma queimadura, mas não havia nenhuma prova de que houvesse benefícios na cicatrização de feridas – agora demonstramos isso”, diz Guenther.

Queimaduras

O método atual de tratamento de queimaduras é o enxerto autólogo de pele , que requer o transplante de pele saudável de outras partes do corpo para a ferida.

Mas grandes queimaduras de corpo inteiro representam um desafio maior.

As queimaduras de espessura total são caracterizadas pela destruição das camadas mais externa e mais interna da pele; essas queimaduras geralmente cobrem uma parte significativa do corpo.

“Com grandes queimaduras, você não tem pele saudável suficiente disponível, o que pode levar à morte de pacientes”, diz Jeschke.

Cicatrização

Desde 2018, a impressora passou por 10 reformulações, à medida que a equipe avança em um projeto que visualiza os cirurgiões usando em uma sala de cirurgia.

O protótipo atual inclui um cabeçote de impressão microfluídico de uso único para garantir a esterilização e uma roda flexível que segue a trilha do cabeçote de impressão, permitindo um melhor controle de feridas mais amplas.

Em seguida, Cheng diz que eles querem “reduzir ainda mais a quantidade de cicatrizes, além de ajudar na cicatrização de feridas. Nosso foco principal no futuro será o lado in vivo. ”

Jeschke acredita que a impressora portátil de pele poderá ser vista em um ambiente clínico nos próximos cinco anos. “Depois de usada em uma sala de cirurgia, acho que essa impressora mudará o jogo para salvar vidas.

“Com um dispositivo como esse, ele pode mudar completamente a maneira como praticamos os cuidados com queimaduras e traumas”, acrescentou.

Com informações da University of Toronto Engineering/GNN

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.