Coronavírus: Austrália anuncia “cura” de pacientes com 2 medicamentos

Coronavírus na Austrália - Foto: AAPCoronavírus na Austrália - Foto: AAP

Pesquisadores australianos afirmam ter encontrado uma “cura” para o novo coronavírus com dois medicamentos já conhecidos e aprovados.

Um deles é um remédio usado contra o HIV, que foi substituído pelos medicamentos de “nova geração” do HIV. O outro é um medicamento contra a malária, chamado cloroquina, que raramente é usado e “mantido na prateleira agora”, devido à resistência à malária .

“Já houve pacientes tratados com eles na Austrália e houve resultados bem-sucedidos”, disse o professor David Paterson, diretor do Centro de Pesquisa Clínica da Universidade de Queensland, à News.com.au.

Os medicamentos seriam administrados por via oral, como comprimidos.

Médicos surpresos

David Paterson afirmou que a pesquisa foi iniciada por pacientes chineses, que receberam o medicamento pela primeira vez na Austrália, mostrando informações aos médicos na internet sobre o tratamento usado no exterior.

“Nossos médicos ficaram muito, muito surpresos com o fato de um medicamento para o HIV realmente funcionar contra o novo coronavírus e houve um pouco de ceticismo”, disse ele.

“Na primeira onda de pacientes chineses que tivemos (na Austrália), todos se saíram muito, muito bem quando foram tratados com o remédio contra o HIV.

Vírus desapareceu

Ele disse que um dos medicamentos, dado a algumas das primeiras pessoas com resultado positivo para COVID-19 na Austrália, já havia resultado no “desaparecimento do vírus” e na recuperação completa da infecção.

Paterson, que também é médico de doenças infecciosas no Royal Brisbane e no Women’s Women’s Hospital, contou que não é um esforço exagerado rotular os medicamentos de “tratamento ou cura”.

“É um tratamento potencialmente eficaz”, disse ele.

“Os pacientes acabaram sem coronavírus em seu sistema após o término da terapia”.

Efeitos colaterais

Os pesquisadores garantem que os remédios são “muito bem tolerados” e não há efeitos colaterais inesperados”.

“Dessa forma, se pudermos testá-lo nesta primeira onda de pacientes, esperamos plenamente que haja infecções em andamento nos próximos meses e meses e, portanto, teremos as melhores informações possíveis para tratar pacientes subsequentes, Paterson disse.

O professor Paterson contou que os pacientes serão convidados a participar “assim que forem admitidos” no hospital, com o objetivo de iniciar o tratamento “muito cedo em sua doença”.

Assista a entrevista de David Paterson (em inglês):

Com informações do News.com.Au

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no:

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.