Irmão raspa cabeça em apoio a irmã de 3 com câncer: final feliz

Fotos: Kristin Bowden/Facebook
Fotos: Kristin Bowden/Facebook

Os irmãos Kohen e Lula Beth Bowden, do Texas, enfrentaram juntos uma luta contra o câncer, em meio à pandemia e nunca desistiram.

Kohen pediu pra raspar a cabeça como a irmã que teve câncer, em estágio 2 e deu um exemplo de solidariedade.

E ele deixou Lula Beth raspar sua cabeça. “Melhor. Irmão. Sempre!” , disse Kristin Bowden, a mãe orgulhosa dos filhos, no Facebook.

O pai, Dakota, também entrou na brincadeira, raspou a cabeça também e se tornou a força vital para a garotinha enfrentar o drama familiar. (foto abaixo)

História

A fotógrafa Kristin Bowden descobriu a doença da caçula de 3 anos, em março, após Lula Beth sentir fortes dores abdominais.

Quando eles foram avisados sobre a perda de cabelo por causa da quimioterapia, Kristin fez o possível para preparar a filha para o mais difícil.

“Para minha surpresa, a resposta dela foi: ‘Vamos fazer isso agora!’”, Disse Kristin. “Essa é minha garota! 3 anos, sem medo de nada e pronta para enfrentar qualquer tarefa e com tanta graça”. 

Doença

“Março de 2020. O mês mais confuso de nossas vidas”, escreveu a mãe no Facebook.

Em 23 de março, eles estavam desesperados por respostas. Depois de mais um diagnóstico de gripe, eles foram para a sala de emergência para testes mais extensos.

Descobriram que Lula Beth tinha um grande tumor cancerígeno que exigiria cirurgia para ser removido.

Final feliz

Ela fez uma cirurgia em 26 de março. Após cinco longas horas, os médicos conseguiram remover todo o tumor.

Alguns dias depois chegou a notícia:
O tumor de Wilms em estágio 2, que era “tratável”. Melhor ainda, o prognóstico de Lula Beth foi excelente e a garotinha fez tratamentos quimioterápicos.

“Ela me ensina muito diariamente, o que realmente importa. Ela é tão forte que mesmo sob forte pressão foi a luz na nossa família. Eu me esforço para ser mais parecida com ela diariamente. Ela é tão corajosa. Nada a derruba”, disse Kristin

No final de maio, a garotinha havia completado seus tratamentos e pôde voltar a rotina normal graças a equipe médica, a família e amigos.

“Essa jornada não é fácil e nunca pensei que estaríamos nela”, escreveu Kristin. “Mas a quantidade de amor e apoio que temos é surreal e isso ajudou muito”.

O pai se juntou aos filhos no apoio à caçula Foto: Facebook
O pai se juntou aos filhos no apoio à caçula Fotos: Facebook

Com informações do Inspire More