Conheça 5 ilhas paradisíacas que estão livres da Covid-19

Tremiti Island Foto: Divulgação
Tremiti Island Foto: Divulgação

Verdadeiros paraísos conseguiram escapar da pandemia da Covid.

Mesmo tendo um dos maiores índices de mortalidade na Europa, a Itália possui uma grande quantidade de ilhas isoladas que se mantiveram distantes do novo coronavírus, pelo menos até agora.

A explicação está na geografia e no mar, já que a água atua como uma barreira natural, isolando os que vivem nesses pedaços de terra.

Veja quais são essas ilhas:.

1-Linosa

Foto: Regione Sicilia
Foto: Regione Sicilia

Posicionado a meio caminho entre a Sicília e a Tunísia, no Mediterrâneo, este minúsculo atol vulcânico está fora do radar da maioria dos viajantes.

Chegar a Linosa envolve voar para o aeroporto da ilha irmã Lampedusa e pegar a balsa, ou pegar a balsa em Porto Empedocle na Sicília continental e embarcar em uma viagem marítima de 12 horas.

Mas é uma viagem que definitivamente vale o esforço. Embora alguns casos tenham sido relatados em Lampedusa, não houve casos confirmados em Linosa.

Ela é circundada por uma estrada principal, forrada com peras espinhosas e paredes baixas de tijolos adornadas com alcaparras.

“Não tem muito o que fazer. Está tudo fechado menos supermercado, dois bares, farmácia, correio. Leve pizza só aos sábados”, disse Fabio Tuccio, um dos 200 residentes.

Enquanto os habitantes locais usam máscaras para se encontrarem com a família e amigos no bar, em frente ao porto ou fora das residências rosa, roxo e verde da ilha, a ausência de uma praça principal impede a aglomeração.

Todos os visitantes devem fazer um teste Covid no porto da balsa antes de colocar os pés na ilha.

“O mar se protege do risco de contágio e as pessoas se sentem seguras desde que estejam seguras de fato, sem casos positivos por perto. O medo nos mantém alertas”, acrescenta Tuccio.

2-Tremiti

Foto: Arquivo de fotos Enit
Foto: Arquivo de fotos Enit

Embora o arquipélago Tremiti, ao largo da costa de Puglia, fique lotado durante o verão, quando mergulhadores e banhistas se reúnem, no inverno apenas 200 pessoas vivem na ilha.

Com águas verde-esmeralda, rochas de granito e falésias irregulares, é fácil perceber porque as cinco ilhas deste arquipélago são conhecidas como as “Pérolas do Adriático”.

Os residentes de Tremiti estão espalhados nas duas ilhas principais de San Nicola, com seu mosteiro suspenso, e em San Domino. As outras três ilhas de Tremiti são desabitadas.

De acordo com a mitologia grega, Diomedes, um ex-pretendente de Helena de Tróia, criou o arquipélago depois de atirar no mar um punhado de pedras da antiga cidade.

No porto de Termoli, no continente, que fica a uma hora de distância de balsa, os controles são rígidos. As temperaturas corporais de todos os viajantes que entram ou saem são registradas e seus cartões de identificação são examinados.

A população daqui depende do turismo e a recuperação desta fonte de rendimento perdida, a par da boa saúde, tem sido a sua principal preocupação nos últimos meses.

“Nossa loja de mergulho está sempre aberta, estamos organizando nossos passeios de barco com guia para a primavera e esperamos receber turistas novamente quando este pesadelo acabar”, disse Samantha Dionisi do centro de mergulho Blu Tremiti.

“Não temos sorte, apenas tomamos cuidado ao adotar as regras anti-Covid corretas e agora estamos acompanhando o que está acontecendo no mundo com grande atenção e esperança”, diz Antonio Fentini, prefeito da ilha.

“Estamos ansiosos para recomeçar, para voltar ao ‘normal’ pré-pandemia e preparar os Tremiti para o próximo verão. Mal podemos esperar para receber os turistas.”

3-Vulcano

Foto: Silvia Marchetti
Foto: Silvia Marchetti

Com praias imaculadas, águas translúcidas e paisagens deslumbrantes, essas ilhas idílicas que fazem parte do impressionante arquipélago das Eólias da Sicília geralmente não têm problemas em atrair turistas, então a pandemia foi um golpe duro para elas.

Enquanto a Itália reabriu brevemente aos viajantes em junho, a segunda onda que abalou o país europeu em outubro afugentou a maioria dos turistas e a bela ilha eólica de Vulcano ficou quase vazia.

Desde então, os moradores reclamam que nenhum viajante veio visitar esta ilha fascinante conhecida como a “Boca do Inferno”.

Foi relatado que Vulcano teve um caso confirmado de Covid-19 no ano passado, mas permaneceu livre do vírus.

A Itália estendeu sua proibição de viagens entre regiões, portanto, é provável que a ilha continue a ser muito tranquila no futuro próximo.

Lojas com venezianas não são incomuns nesta época do ano, diz Marco Spisso, que coordena o banho de lama e costuma dar um mergulho na praia vulcânica em frente à sua antiga torre de vigia.

4-Filicudi

Foto: Silvia Marchetti
Foto: Silvia Marchetti

A ilha de Filicudi, uma das mais selvagens e distantes entre as ilhas Eólias, também se saiu bem em manter Covid à distância.

As balsas costumam ter dificuldade em atracar por lá devido às condições do mar agitado.

Embora isso fosse uma frustração para os habitantes locais no passado, a conexão ausente agora é vista como uma coisa boa.

Os moradores se sentem sortudos por viverem na reclusão, longe do caos e da confusão provocados pelo coronavírus.

“É um momento feio para a humanidade, mas estou feliz por viver aqui, é como estar em outro mundo”, diz Peppino Taranto, morador de Filicudi.

“Somos privilegiados. O distanciamento social é garantido. Graças ao nosso clima quente de inverno, minha esposa e eu frequentemente gostamos de jantar ao ar livre sob o céu estrelado.”

5-Alicudi

Foto: Silvia Marchetti
Foto: Silvia Marchetti

Alicudi, a ilha irmã de Filicudi, é a mais isolada das ilhas Eólias, imbuída de uma vibração primitiva.

Nesta pequena ilha, a Covid é vista como uma ameaça muito, muito distante.

Durante o verão, Taranto administra um hotel e restaurante chamado Ericusa na ilha. Mas como a maioria dos estabelecimentos locais, atualmente está fechado.

Regras de silêncio em Alicudi: esqueça carros, scooters e até bicicletas.

Não há estradas, apenas caminhos empoeirados de mulas que se estendem por 25 quilômetros. Mais de 10.000 degraus de pedra conectam as habitações desta aldeia pitoresca.

Os burros são o único meio de transporte na ilha. Alicudi não tem caixas eletrônicos, boutiques, clubes, ou vendedores de cigarro. Não há iluminação pública, apenas as estrelas como lanternas naturais à noite.

Os residentes mais velhos de Alicudi gostam de contar histórias assustadoras de bruxas voadoras e burros fantasmas.

Aldo Di Nora, que se mudou para Alicudi anos atrás do norte da Itália e agora dirige o resort Casa Ibiscus, está bem ciente de como é afortunado por viver em um lugar tão isolado e protegido.

“O distanciamento social não é um problema. O único momento em que pequenas multidões podem se formar é quando as pessoas se encontram no porto de Alicudi para pular nas balsas”, diz Di Nora.

“Acompanho as notícias dos trágicos acontecimentos que acontecem na Itália e em todo o mundo e sou grato por viver em um lugar tão maravilhoso, rodeado de paz e risco zero de contágio”.

Com informações da CNN