Nova combinação de imunoterapia fez câncer desaparecer em paciente

1897
Barry Ambrose, 77, de Bury St Edmunds agora está livre do câncer depois de participar de um teste de medicação de imunoterapia da Fundação Royal Marsden NHS - Foto: família Ambrose
Barry Ambrose, 77, de Bury St Edmunds agora está livre do câncer depois de participar de um teste de medicação de imunoterapia da Fundação Royal Marsden NHS - Foto: família Ambrose

Uma combinação inovadora de duas drogas de imunoterapia livrou um paciente e prolongou a vida de outros com câncer e metástase de cabeça e pescoço, sem a necessidade de quimioterapia.

Esse é resultado de um experimento de câncer de fase III que deixou oncologistas e pacientes no Reino Unido entusiasmados.

O ensaio, financiado pela farmacêutica Bristol Myers Squibb e conduzido na Royal Marsden NHS Foundation, levou a pelo menos uma recuperação milagrosa.

Milagre ou medicina?

A experiência começou com Barry Ambrose, de 77 anos, de Bury St. Edmunds. Ele foi diagnosticado com câncer na garganta em 2017, que também se espalhou para os pulmões.

Barry foi informado pelo hospital local que os cuidados paliativos eram sua única opção. Mas, após ouvir a sentença de morte, ele participou do estudo e depois de oito meses, o câncer desapareceu completamente.

“Quando as enfermeiras da pesquisa me ligaram para dizer que, depois de dois meses, o tumor em minha garganta havia desaparecido completamente, foi um momento incrível, conta Barry em um comunicado .

“Embora ainda houvesse doença em meus pulmões naquele ponto, o efeito foi impressionante. Na verdade, eu estava indo tão bem no teste que tive permissão para pausá-lo em novembro de 2018 para fazer um cruzeiro pelo Caribe com minha esposa”.

Combinação

Os medicamentos nivolumabe e ipilimumabe nem sempre levaram a curas como no caso de Barry Ambrose, mas deram aos pacientes com câncer de cabeça e pescoço, em estado avançado, uma média de mais três meses de sobrevida, livre de efeitos colaterais.

Quando comparados com a quimioterapia tradicional são clinicamente relevantes, apesar de não serem significativos estatisticamente.

O tempo médio de sobrevivência foi de 17 meses, o mais longo já alcançado em pacientes com câncer de cabeça e pescoço em estágio avançado.

“Nosso estudo mostra que a combinação de imunoterapia alcançou a sobrevida global mediana mais longa já vista em pacientes com câncer de cabeça e pescoço recidivante ou metastático”, disse o professor Kevin Harrington, consultor oncologista clínico do Royal Marsden que ajudou a organizar o estudo.

“Precisaremos fazer um acompanhamento mais longo para ver se podemos demonstrar um benefício de sobrevida em todos os pacientes do estudo.”

Além disso, a falta de quimioterapia extrema e os efeitos colaterais muitas vezes debilitantes, como náusea, cansaço e dificuldade para respirar, significam que os pacientes precisam pelo menos viver sua vida ao máximo enquanto têm tempo.

“As imunoterapias são tratamentos mais gentis e inteligentes que podem trazer benefícios significativos para pacientes com câncer avançado de cabeça e pescoço – por exemplo, poupando-os de alguns dos efeitos colaterais difíceis da quimioterapia”, disse o professor Kristian Hellin, executivo-chefe do Instituto de Pesquisa do Câncer , Londres.

Probabilidade de tratamento

“Esses são resultados promissores e demonstram como podemos selecionar melhor os pacientes que têm maior probabilidade de se beneficiar do tratamento de imunoterapia.”

“Quando fui informado do tratamento pelo professor Harrington, não hesitei em entrar – o que eu tinha a perder? Acabou sendo uma tábua de salvação ”, disse Ambrose.

“Embora eu tivesse que fazer viagens quinzenais de Suffolk ao hospital para o tratamento, não tive praticamente nenhum efeito colateral e fui capaz de continuar fazendo as coisas que adoro – velejar, andar de bicicleta e passar o tempo com minha família. ”

Com informações do Intistitute of Cancer Research e GNN