Sem saber ler e escrever, mulher abre escola para crianças carentes

918
A Escolinha da Dona Boneca ajuda crianças carentes no contraturno da escola, com diversas atividades - Foto: gor Eliar
A Escolinha da Dona Boneca ajuda crianças carentes no contraturno da escola, com diversas atividades - Foto: gor Eliar

Mesmo sem saber ler e escrever, a Adeilda da Silva, ou Tia Boneca, como é conhecida, encontrou uma forma de ajudar na alfabetização de crianças da comunidade Tiago Neris, em Mangabeira, João Pessoa.

Tia Boneca abriu uma escolinha, que hoje atende quase 70 crianças com atividades educativas e culturais. O projeto surgiu após uma promessa, feita em 2017, quando ela descobriu um tumor no cérebro.

A Casa Escolinha da Dona Boneca começou a funcionar há quase sete anos. Na época, atendia cerca de 25 crianças, com brincadeiras e alimentação básica. Hoje, 68 crianças frequentam a pequena instituição, que já oferece aulas de reforço dadas por voluntários.

As crianças, que têm entre 5 e 13 anos de idade, frequentam a escola regular e, nos contraturnos vão para a escolinha cumprirem as demais atividades.

“Já recebemos muito mais alunos, mas hoje temos quase 70. Alguns são de outros colégios, vão estudar na parte da manhã e ficam na escolinha à tarde. Outros estudam de tarde e ficam na escolinha de manhã, se alimentam e tomam banho pra ir pro colégio. Eles têm tudo que a gente pode oferecer”, explica.

Apoio aos mais velhos

Além de dar apoio para as crianças, a escolinha da Tia Boneca também abre as portas para os mais velhos.

No turno da noite, o espaço recebe uma professora da Rede Municipal de Ensino para dar aulas pelo programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). E uma das alunas dessa turma é a própria Tia Boneca.

Após um ano com a escolinha fechada, devido aos bloqueios da pandemia, Tia Boneca comemora o retorno das atividades e das aulas do EJA.

Ela começou a estudar também

Ela aproveitou também para compartilhar a primeira grande conquista: aprendeu a escrever o nome completo. Agora, pode compartilhar com as crianças as letras em comum, e dar início ao processo de ajuda pedagógica que tanto sonhou.

“Acredito que a educação pode mudar o mundo. Antes os adultos atendidos no EJA aqui na escolinha não sabiam escrever nem um ‘o’, e hoje já sabem muita coisa. É a coisa mais linda ver todos eles estudando, ver as crianças podendo brincar… É uma satisfação”, finaliza.

Conheça a história da Siberlly!

Assim como a Tia Boneca, a Siberlly tem o propósito de ajudar crianças carentes. Ela é de Camocim, no Ceará, e abriu as portas da própria casa para oferecer aulas de artes, esportes e reforço escolar às crianças em situação de vulnerabilidade da região.

Hoje a Siberlly atende 125 crianças e conta com a ajuda de voluntários e doações de parceiros. Só que o projeto vem sofrendo com a falta de recursos desde o início da pandemia. Por exemplo, a Kombi que a Siberlly comprou para pegar e deixar as crianças que moram mais afastadas, está com várias parcelas vencidas e corre o risco de ser apreendida por falta de pagamento.

Lançamos uma campanha no Só Vaquinha Boa para evitar que isso aconteça e contamos com a ajuda de vocês! Faça uma contribuição!

Tia Boneca - Foto: arquivo pessoal
Tia Boneca – Foto: arquivo pessoal
Escolinha - Foto: Igor Eliar
Escolinha – Foto: Igor Eliar

Com informações de Jornal de Mato Grosso