Suíça comemora vencedor do Prêmio Nobel de Química

1050

A cidade de Morges, no Estado de Vaud, Suíça, acordou mais feliz e orgulhosa nesta quinta-feira.

O biofísico de 76 anos, ex-professor da Universidade de Lausanne – UNIL, Jacques Dubochet, é o vencedor Prêmio Nobel de Química em 2017.

Por volta do meio-dia ele foi surpreendido pela notícia, quando seu telefone tocou informando sobre o prêmio.

E o melhor de tudo é que a novidade só seria anunciada uma hora mais tarde em Estocolmo.

No início da tarde de ontem, o pesquisador, muito emocionado, recebeu a imprensa local em uma sala da UNIL, e declarou:

“Estou muito honrado por um trabalho feito há trinta anos, mas isso não acontece sozinho. Os momentos-chave desta descoberta vieram dos meus engenheiros, que me mostraram coisas. Houve esse momento em que dissemos “ah ah” e onde entendemos que descobrimos algo. Depois disso, tem sido uma vida de pesquisa e colaboração”.

Descoberta

A descoberta que se chama “Crio-microscopia eletrônica de espécimes vitrificad é um método inovador de observar moléculas em três dimensões, desenvolvido juntamente com Joachim Frank (EUA) e Richard Henderson (Grã-Bretanha), outros dois vencedores.

Explicando por alto, isso consiste em congelar muito rapidamente uma amostra de acordo com um processo que evita a cristalização da água no gelo.

“Em suma, estamos honrados hoje por inventar água fria”, disse Dubochet, com um largo sorriso de pura alegria e orgulho de si mesmo estampado em seu rosto.

Morador da cidade de Morges, Dubochet tem entre sua milhares de atividades o título de grande animador da seção morgiana do conhecimento.

Patricia Dubois, Secretária Geral da Universidade falou sobre Dubochet:

“Ele está convencido pela partilha de conhecimento e transmissão. Ele sempre me impressionou com sua preocupação com a maioria, seu compromisso com os outros, especialmente aqueles que talvez não tenham tido a oportunidade de ter acesso aos estudos” .

Na política, Jacques já demonstrou toda a sua sabedoria durante controvérsia sobre o uso aleatório dos recursos da Comissão Suiça-Estrangeira, quando ele subiu ao Conselho de Curadores para selar os debates com esta citação:

“Meu Deus, dê me orientação para não misturar o que é importante e o que não é. “Uma intervenção típica de Dubochet, que sempre manteve os pés no chão.

Ninna Crot, da Suíça para o SóNoticiaBoa